Jornalista relata ter sido vítima de machismo na Globo; confira

A jornalista Mayra Siqueira, que trabalhou nas rádios CBN e Globo, no canal SporTV e no site Globoesporte.com, relatou em sua conta no Twitter que foi vítima de machismo durante o período em que trabalhou no Grupo Globo.

No desabado, Siqueira citou nomes e incluiu alguns figurões do jornalismo da Rede Globo, como, por exemplo, o narrador Cleber Machado.

“O Cleber Machado, quando em finalmente ganhei um teco da sua confiança (levaram 2 anos e meio de Seleção pra isso), me disse que acha nada ver isso de mulher narrar, porque não é uma coisa que orne muito. Eu sorri e entendi que esse aí não vai mudar de ideia, e td bem. Antes disso, ele fez questão de tentar massacrar meu argumento em infinitas vezes nos programas. Motivo aparente? Mulher, novinha. Passou e, depois de alguns chás de aeroporto ao lado dele, cantamos juntos Elis Regina no caminho pro estúdio. Esse dia foi fera”, escreveu Mayra.

A jornalista também falou sobre o ex-técnico Muricy Ramalho, que hoje é comentarista do canal SporTV.

“Já ouvi 2 vezes em coletivas ao vivaço do Muricy “você sabe muito de futebol, né?” (insira tom irônico). Na primeira, fiquei arrasada. Na segunda, virei notícia e fui defendida nos programas. Ele nunca se abalou e, anos depois, fizemos programas de TV juntos na mesma bancada”, acrescentou.

Mayra também citou Tite. Segundo ela, o treinador da seleção brasileira foi deselegante ao responder a uma pergunta, mas logo se retratou.

“O Tite um dia me deu uma resposta levemente grosseira e que soou machista. Na resposta seguinte, interrompeu o que dizia a outro repórter pra pedir desculpas. “Poderia ser minha filha aqui””, disse a jornalista, que também falou sobre o jogador Dagoberto.

“O Dagoberto, no meu primeiro ano de repórter de campo, passou reto por mim ignorando minha pergunta. O Fernando Fernandes, da Band,  parou ele na sequência e disse ao vivo “já que você não respondeu a pergunta da moça, eu vou repetir”. ele repetiu, é o Dagoberto respondeu”, contou.

Além dos relatos, Mayra reforçou que o ambiente do jornalismo esportivo ainda é machista.

“O meio de imprensa esportiva é uma merda pra mulheres, ainda. E ainda bem que tá se enchendo de ~feminista chata~. Vcs não fazem ideia do que é saber que cada mulher que chega é “carne nova” na visão dos jornalistas homens, que acham ok e normal ir pra cima feito urubu”, disse ela, que também ponderou.

“Tem muito cara incrível e decente no jornalismo esportivo, e guardo vários como grandes amigos. Outros que são só aqueles “tiozoes incorrigíveis” que você tolera. E outros que você cumprimenta por educação”, finalizou.

Fonte: Notícias ao Minuto

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notificações no seu whatsappReceba nossas notificações