PM suspeito de envolvimento com milícia comprou casa de R$ 1 milhão

Divulgação

A operação desta quinta-feira (14) contra a milícia Liga da Justiça na Zona Oeste e na Baixada Fluminense apresentou um detalhe que surpreendeu os policiais: sargento da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Marcelo José Costa Brito é proprietário de uma casa avaliada em R$ 1 milhão.

Em média, um primeiro-sargento recebe entre R$ 5 mil e R$ 6 mil por mês .

Lotado no Batalhão de Policiamento de Vias Especiais (BPVE), o policial, de acordo com os policiais do Laboratório de Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil, apresenta patrimônio superior ao seu rendimento.

A especializada também investigou a rede de relações do sargento Marcelo Brito. Assim que o sigilo do processo na 1ª Vara Criminal de Santa Cruz foi derrubado, o PM foi informado do mandado de prisão.

Horas depois da operação, o policial se apresentou à polícia e foi levado para a unidade prisional da PM, em Niterói, na Região Metropolitana do RJ. O G1 não encontrou o advogado do policial.

Em ligações interceptadas com autorização da Justiça, o sargento do BPVE também pratica extorsão contra um morador da região, na avaliação dos investigadores.

Em telefonema interceptado no dia 20 de julho de 2018, por exemplo, o PM aparece conversando com um homem chamado Gilson, que lhe deve dinheiro. O homem diz que não tem como lhe pagar tudo naquele momento, mas Marcelo pressiona e diz que precisa da quantia porque tem “dívidas para pagar”.

Gilson: Mesmo que eu não te dê os R$ 2,5 mil, mas que eu te dê uns R$ 2 mil… eu tô correndo atrás… eu sempre te (inaudível), Marcelo.

Marcelo: Hoje o senhor Já deve ter bebido uns biricuticos a mais, num já? Eu conheço o senhor, o senhor é tímido e agora tá falante.

Gilson: Eu vendi umas coisinhas minhas, R$ 770, mas não dá pra te pagar, só que eu tô vendo uma outra coisa…

Marcelo: Já ajudava…

Gilson: Eu não sou nenhum moleque, cara.

Marcelo: Pois é, mas eu preciso receber.

Gilson: Eu vou falar uma coisa, você não está precisando desse dinheiro agora, me ajuda, me ajuda…

Marcelo: Eu tô precisando, sim, tenho as minhas dívidas para pagar, tenho carro, prestação de casa.

Gilson: Eu vou lá naquele amigo, como é o nome daquele amigo? Eu vou lá, eu vou botar o que eu tiver na mão, eu vou te dar R$ 2.500, R$ 3.000, eu não quero nunca te dar prejuízo.

Marcelo: Então tá bom, eu vou te aguardar então, tá bom? Vou aguardar o senhor então.

Gilson: Por favor cara, a gente tá junto, me ajuda pelo amor de Deus.

Atuação da milícia
A polícia pretende atingir os métodos utilizados pela milícia para lavar o dinheiro adquirido com a cobrança de taxas de segurança, de compras de botijões de gás e outras taxas para luz, telefone e internet clandestina em diversas comunidades e bairros do Rio.

Segundo a polícia, o dinheiro adquirido através da cobrança dessas taxas é lavado em atividades legais, como empresas de incorporação e exploração de areia e saibro, uma das atividades mais rentáveis da milícia na Baixada Fluminense.

O tamanho do poder das milícias no Rio foi revelado na série Franquia do Crime, do G1, que mostrou ainda que 2 milhões de pessoas viviam em áreas dominadas por milícias no Rio de Janeiro e na Região Metropolitana, incluindo a Baixada Fluminense e o município de São Gonçalo.

Divulgação
Fonte: G1

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notificações no seu whatsappReceba nossas notificações