Tóxicos: “Carta de um filho para o pai”

* Improviso de Paiva Netto na década de 1980.

Nos idos de 1980, apresentei, na Super Rede Boa Vontade de Comunicação (rádio, TV e publicações; hoje, formada também pela internet), “Carta de um filho para o pai”, reproduzida em O Imparcial, de Monte Alto/SP. Nela, um jovem de 19 anos, a quem chamaremos de R., usuário de entorpecentes, escreve um bilhete de adeus ao seu pai. Diante da comoção dos ouvintes, determinei que o texto fosse impresso em diferentes idiomas. É indispensável o esclarecimento dos familiares. Por isso, nas passeatas e panfletagens, em conferências e nos meios de comunicação, orientamos os pais e os responsáveis a prestar maior atenção ao cotidiano dos filhos, dos jovens, às suas amizades, dúvidas, ambientes que frequentam. O caso é verídico e ocorreu num hospital de São Paulo/SP:

“Acho que neste mundo ninguém procurou descrever seu próprio cemitério. Não sei como meu pai vai receber este relato, mas preciso de todas as forças enquanto é tempo. Sinto muito, meu pai. Acho que este diálogo é o último que tenho com o senhor. Sinto muito, mesmo…. Sabe, pai, está em tempo de o senhor saber a verdade de que nunca desconfiou. Vou ser breve e claro, bastante objetivo.

“O tóxico me matou. Travei conhecimento com meu assassino aos 15 anos de idade. É horrível, não, pai? Sabe como conheci essa desgraça? Por meio de um cidadão elegantemente vestido, bem elegante mesmo, e bem-falante, que me apresentou ao meu futuro assassino: a droga.

“Eu tentei recusar, tentei mesmo, mas o cidadão mexeu com o meu brio, dizendo que eu não era homem. Não é preciso dizer mais nada, não é, pai? Ingressei no mundo do vício.

“No começo foi o devaneio; depois, as torturas, a escuridão. Não fazia nada sem que o tóxico estivesse presente. Em seguida, vieram a falta de ar, o medo, as alucinações. E, logo após a euforia do pico, novamente eu me sentia mais gente do que as outras pessoas, e o tóxico, meu amigo inseparável, sorria, sorria.

“Sabe, meu pai, a gente, quando começa, acha tudo ridículo e muito engraçado. Até Deus eu achava cômico. Hoje, no leito de um hospital, reconheço que Deus é mais importante que tudo no mundo. E que sem a Sua ajuda eu não estaria escrevendo esta carta. Pai, eu só estou com 19 anos e sei que não tenho a menor chance de viver. É muito tarde para mim. Mas ao senhor, meu pai, tenho um último pedido a fazer: mostre esta carta a todos os jovens que o senhor conhece. Diga-lhes que em cada porta de escola, em cada cursinho de faculdade, em qualquer lugar, há sempre um homem elegantemente vestido e bem-falante que irá mostrar-lhes o futuro assassino e destruidor de suas vidas e que os levará à loucura e à morte, como aconteceu comigo. Por favor, faça isso, meu pai, antes que seja tarde demais para eles.

“Perdoe-me, pai…. Já sofri demais. Perdoe-me também por fazê-lo padecer pelas minhas loucuras.

“Adeus, meu pai”.

Algum tempo após escrever essa carta, o jovem morreu. Eis por que fraternalmente advertimos: cuidemos bem de nossa juventude, como o faz a Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, porque a nenhum de nós interessa ter amanhã uma pátria de drogados, bêbados e frustrados. Queremos, isto sim, uma geração, uma civilização de homens, mulheres, jovens e crianças honrados, realizadores no Bem, amantes da Paz, da Verdade e da Justiça. É por isso que a Religião Divina trabalha incessantemente. Se o mundo quer evoluir, precisa, antes de tudo, preparar a geração que surge com o que tiver de melhor e confiar mais nela. Já é tempo.

A propensão da mocidade é acreditar e batalhar pelo futuro. Graças a Deus! Ainda bem!

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notificações no seu whatsappReceba nossas notificações