Brasil


Movimento de protestos prossegue com força no Brasil

AFP/AFPManifestante segura cartaz durante partida Brasil vs Itália

Manifestante segura cartaz durante partida Brasil vs Itália

O movimento de protesto por melhores serviços públicos e contra a corrupção, apoiado por três quartos da população brasileira, perdeu um pouco de sua intensidade ao longo deste fim de semana, mas promete voltar com força, coincidindo com o chamado de greve geral para 1º de julho.

Durante os protestos das últimas duas semanas, muitos manifestantes expressaram sua revolta pelos gastos milionários do Estado com a realização da Copa do Mundo, estimados em 30 bilhões, ao invés de investir em saúde e educação.

Em entrevista ao jornal O Globo, o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, ressaltou que existem programas de desenvolvimentos vinculados aos eventos esportivos e que é "estúpido" pensar que esta organização controla o Brasil.

"Não somos responsáveis por tudo o que acontece no país. Não dizemos ao Brasil o que deve ser feito", afirmou.

Para este domingo, um novo protesto foi convocado no Rio de Janeiro, às 16h00 na praia de Copacabana, sob o slogan "Dia do Basta", contra a PEC37, o projeto de reforma constitucional que limita o poder de investigação pelo Ministério Público e que, de acordo com os manifestantes, facilita a impunidade dos corruptos.

Por medo de possíveis atos de vandalismo, como os registrados na última semana, o shopping RioSul decidiu fechar suas portas.

Atos com crianças foram organizados no Rio e em Brasília, em frente ao Congresso Nacional.

No Leblon, quarenta manifestantes acampados desde sexta-feira em frente à residência do governador Sérgio Cabral, protestam contra a corrupção. Eles afirmam que só deixarão o local "quando o governador aparecer."

Em Fortaleza, onde haverá a partida entre Espanha e Nigéria pela Copa das Confederações, manifestantes já começam a se reunir

Outras passeatas e manifestações continuam a ser convocadas pelas redes sociais, o principal canal de comunicação e articulação dos protestos.

"Em 01/07/2013 o Brasil vai parar", diz um aviso publicado em uma página de Facebook.

O movimento Passe Livre de São Paulo, que deu início às manifestações, anunciou em sua página "grandes ações" para a próxima semana na periferia da metrópole.
"Sem partido"
Os manifestantes não se identificam com sindicatos e, muito menos, com partidos.

No sábado, novos protestos foram realizados em mais de cem cidades, apesar do discurso conciliatório da presidente Dilma Rousseff, que prometeu atender as demandas e anunciou um acordo com as autoridades regionais para melhorar os serviços públicos.

A maior manifestação de sábado ocorreu em Belo Horizonte, onde 70.000 pessoas se reuniram nas proximidades do estádio do Mineirão durante a partida entre Japão e México (1-2).

Dezesseis pessoas ficaram feridas, incluindo cinco policiais, quando os manifestantes tentaram forçar o perímetro de segurança do estádio.

Segundo a polícia, 32 pessoas foram detidas por vandalismo.

Apesar de numerosos, os protestos foram menores do que na quinta-feira, quando mais de um milhão de pessoas saíram às ruas de várias cidades do Brasil.

Inicialmente contra o aumento do preço do transporte público, as manifestações passaram a reivindicar melhorias e maiores investimentos nos serviços públicos e a repudiar a classe política corrupta.

Após as manifestações históricas de quinta-feira, que reuniram mais de 1 milhão de pessoas nas ruas de todo o país, dos quais 300 mil no Rio de Janeiro, a tendência são protestos focados em um tema de cada vez ao longo dos próximos dias, anunciaram as redes sociais, em antecipação a greve geral.

Cerca de 75% dos brasileiros apoiam este movimento histórico de contestação, de acordo com a primeira pesquisa do IBOPE publicada no sábado sobre a crise no Brasil.

O preço e a má qualidade dos transportes públicos superou as razões de insatisfação da população (77%), seguido pela classe política (47%) e corrupção (33%).

Mas o coração dos brasileiros balança entre essas críticas e o amor pelo futebol. Entre os entrevistados, 67% aprovam a organização da Copa do Mundo.

A onda de manifestações no Brasil chegou a Hollywood: o ator americano Brad Pitt adiou sua visita ao Rio de Janeiro para promover seu novo filme "World War Z".

Fonte: AFP

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>