Justiça


Justiça suspende lei que estabelece idade para ingresso na PM; Entenda!

Após decisão do TJ, idade máxima para ingresso na PM continua 30 anos

Caio LoureiroDesembargadores durante sessão do Pleno desta terça-feira (26)Desembargadores durante sessão do Pleno desta terça-feira (26)

Desembargadores durante sessão do Pleno desta terça

O Pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas suspendeu a validade da lei n° 7.657/2014, que estabelece as idades mínima de 18, e máxima de 40 anos para ingresso na Polícia Militar de Alagoas. A suspensão, decidida durante sessão do pleno desta terça-feira (26), ocorre como medida cautelar, solicitada pelo Estado de Alagoas.

A lei, de autoria do deputado Ronaldo Medeiros (PT), foi aprovada pela Assembleia Legislativa e vetada pelo governador Renan Filho (PMDB), que alegou que o projeto tramitou de forma irregular por se tratar de matéria de competência do governador e não da Assembleia.

Após a derrubada do veto pelos parlamentares, a lei foi publicada no Diário Oficial, na seção do Poder Legislativo. Dez dias depois, houve uma republicação da lei, com um acréscimo de texto, determinando a extensão de seus efeitos aos participantes do concurso da PM de 2012.

“Essa lei foi publicada depois da derrubada de veto e sete dias depois foi republicada por uma suposta incorreção. Quando ela foi republicada, foi acrescentado um ‘remendo’, que não passou por deliberação parlamentar”, disse a procuradora do Estado, Rita de Cássia Coutinho, durante a sessão.

Leia também:

Deputados aprovam Lei que aumenta idade para ingresso na PM

Diário Oficial traz lei que dispõe sobre aumento da idade na PM

O desembargador Alcides Gusmão é o relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade que ainda terá o mérito analisado pelo Pleno, em data ainda não definida. Até que seja votado o mérito, fica valendo a idade máxima de 30 anos, para ingresso na Polícia Militar.

O desembargador Fábio Bittencourt sugeriu que seja apurada a possível prática de improbidade administrativa pelos responsáveis pela republicação da lei com alterações. Mas os desembargadores concordaram que essa questão só deve ser analisada no julgamento de mérito.


Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>