Justiça suspende lei que estabelece idade para ingresso na PM; Entenda!

Após decisão do TJ, idade máxima para ingresso na PM continua 30 anos

Caio LoureiroDesembargadores durante sessão do Pleno desta terça-feira (26)Desembargadores durante sessão do Pleno desta terça-feira (26)

Desembargadores durante sessão do Pleno desta terça

O Pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas suspendeu a validade da lei n° 7.657/2014, que estabelece as idades mínima de 18, e máxima de 40 anos para ingresso na Polícia Militar de Alagoas. A suspensão, decidida durante sessão do pleno desta terça-feira (26), ocorre como medida cautelar, solicitada pelo Estado de Alagoas.

A lei, de autoria do deputado Ronaldo Medeiros (PT), foi aprovada pela Assembleia Legislativa e vetada pelo governador Renan Filho (PMDB), que alegou que o projeto tramitou de forma irregular por se tratar de matéria de competência do governador e não da Assembleia.

Após a derrubada do veto pelos parlamentares, a lei foi publicada no Diário Oficial, na seção do Poder Legislativo. Dez dias depois, houve uma republicação da lei, com um acréscimo de texto, determinando a extensão de seus efeitos aos participantes do concurso da PM de 2012.

“Essa lei foi publicada depois da derrubada de veto e sete dias depois foi republicada por uma suposta incorreção. Quando ela foi republicada, foi acrescentado um ‘remendo’, que não passou por deliberação parlamentar”, disse a procuradora do Estado, Rita de Cássia Coutinho, durante a sessão.

Leia também:

Deputados aprovam Lei que aumenta idade para ingresso na PM

Diário Oficial traz lei que dispõe sobre aumento da idade na PM

O desembargador Alcides Gusmão é o relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade que ainda terá o mérito analisado pelo Pleno, em data ainda não definida. Até que seja votado o mérito, fica valendo a idade máxima de 30 anos, para ingresso na Polícia Militar.

O desembargador Fábio Bittencourt sugeriu que seja apurada a possível prática de improbidade administrativa pelos responsáveis pela republicação da lei com alterações. Mas os desembargadores concordaram que essa questão só deve ser analisada no julgamento de mérito.

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *