Blogs


A banalidade do mal leva pessoas “normais” a cometerem atrocidades

Esta postagem é de total responsabilidade do blogueiro.

O tema da banalidade do mal aparece nas análises teóricas e existenciais da pensadora Hannah Arendt. Para a filósofa, o totalitarismo pode promover e instaurar tanto a banalização do mal – a violência generalizada, a difusão e disseminação do terror –, quanto o mal radical, a face mais perversa, cruel, sádica da violência e do sofrimento.

hannah-mal

Hannah Arendt, com o conceito banalidade do mal, procura traduzir e expressar uma situação na qual a crueldade e violência assumem e tomam o cotidiano da existência. A banalidade do mal se torna realidade quando a perversidade passa a se constituir como algo comum e costumeiro, que deixa de causar estranhamento. A violência passa a fazer parte do cotidiano de maneira tão intensa que não produz espanto algum. O mal se torna banal quando os homens passam a agir sem raciocinar, perdendo o horizonte das conseqüências e do significado das ações de violência extrema.

Casos recentes da banalização do mal

O atirador de Las Vegas

stephen-paddock

Stephen Paddock, o atirador que matou 58 pessoas e feriu mais de 500 em Las Vegas antes de se suicidar na segunda-feira (2), morava em uma casa próxima a um campo de golfe em condomínio que só aceita pessoas com mais de 55 anos e era, segundo o irmão Eric Paddock, “um cara bem de vida que gostava de jogar vídeo pôquer e de viajar em cruzeiros”.

damiao-1

O vigia da creche em Minas Gerais

O vigia Damião Soares dos Santos, 50, autor de incêndio numa creche de Janaúba, norte de Minas Gerais, As vítimas até o momento são cinco crianças e a professora. O agressor também morreu. No total, 22 foram queimados e casos graves foram levados para hospitais da região

Assassinatos de moradores de rua

maxresdefault (1)

Mortes invisíveis:

Durante o primeiro semestre deste ano, 195 moradores de rua foram assassinados em todo o Brasil, segundo dados da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República divulgados nesta semana.

O problema listado acima mostra que o problema não é só deles. É nosso também. Tirando que os direitos humanos são completamente violados para esses homens que estão expostos ao léu.
É chegado o tempo em que devemos nos unir para resolver o problema. Ou pelo menos amenizar.

Afinal, como diria o cantor Gabriel Pensador, em sua música ‘Até Quando?’:
“Não adianta olhar pro chão, virar a cara pra não ver.
Levanta aí que você tem muito protesto pra fazer e muita greve, você pode, você deve, pode crer.
Até quando você vai levando?
Até quando vai ficar sem fazer nada?”

E você? O que acha poder fazer hoje para ajudar no problema?

A impunidade precisa ser combatida pela sociedade

A justiça revela-se como condição imprescindível para a paz. O assassinato incólume de indivíduos – milhares de jovens pobres, que vivem em condições subalternizadas nas periferias de grandes centros urbanos – clama por justiça, exige reparação. A violência gera, produz um duplo mal, tanto para as vítimas quanto para o agressor. Depreende-se que o agente da violência tem as possibilidades de sua humanidade suprimidas; a demência toma corpo, o benefício de discernir ausenta-se; o ser humano encontra-se em risco, quando exposto a toda má sorte e barbárie. É imprescindível que se resgate ainda a dignidade dos agressores, afastados, privados da condição de humanidade, apartados do sentimento de pertença e vínculo sociais. Apenas mediante o resgate da elevada ética do amor, fazendo emergir uma nova humanidade, a romper com a dinâmica do desejo mimético, e a instauração da plena justiça abrirá perspectivas capazes de conter, suplantar a livre fruição da violência, a conduzir à ruína da civilização.

ayudar-al-prc3b3jimo-600x400

Sua atitude pode mudar o mundo

Um mundo melhor começa com um “eu” melhor.

Nenhuma mudança verdadeira acontece de fora para dentro, mas de dentro para fora.

Quer um mundo melhor?

Seja uma pessoa melhor.

Mas que devo acrescentar em mim para mudar o mundo?

A resposta é simples: Amor!

Quer mudar o mundo?

Mude a maneira como você lida com as pessoas.

Fiz esse texto para nossa reflexão como cidadão e cidadã

 


Veja mais


prevenção-drogas

Educação e prevenção: A questão drogas nas escolas

O consumo de drogas cresce consideravelmente a cada dia, pois ela não escolhe religião ou nível social; está presente em todos os lugares e realidades desde muito tempo. Esse a...

bf61dc40-7523-4a6b-aabd-38d97f3b29b4

CHEGA DE TANTA VIOLÊNCIA Somente no mês de dezembro, cinco igrejas de Maceió foram assaltadas, entre elas três católicas e duas evangélicas.

O atentado à Igreja Católica Nosso Senhor do Bonfim, no Poço, em Maceió, na noite deste sábado (12) por bandidos que procuravam itens de valor, é apenas um dos inúmeros caso...

Deputado Carimbao Junior

Lei Estadual de autoria do Deputado Carimbão Júnior, consolida o programa de reinserção social em Alagoas para dependentes químicos.

O programa Agente da Paz, da Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (SEPREV) concluiu turma do curso de soldador. Vinte dependentes químicos receberam o certificado de ...

Bispo Filho

Bispo Filho é Administrador de Empresas e Estudante de Jornalismo.

Outros posts de Bispo Filho

1 Comentário

  • Maceió,10 de outubro de 2017

    Bispo Filho
    Saudações !

    O problema é que as pessoas(pobres e ricos)julgam-se melhores que as demais.Inveja e egoismo são os maiores pecados dos humanos.As pessoas veem o próximo como inimigo.

    Adriel Batista Correia de Melo

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>