Blogs


“Boas Festas e Feliz Ano Novo” A relação do Dependente Químico com estas festas:Texto Danilo Della Justina

Esta postagem é de total responsabilidade do blogueiro.

Uma das premissas de qualquer tratamento da dependência química, é: evite lugares, pessoas e hábitos que lembrem o uso de álcool ou drogas.

E aí?

Como fazer nesta época de fim de ano onde só se fala em confraternizações e festas, que para nós brasileiros remete ao uso principalmente de álcool, muito álcool. O fim de ano para uns é época de comemorar o ano que se finda, para outros chorarem pelo ano que não foi como gostaria de ter sido e brindar e festejar passa a ser a regra.

Para o dependente químico é uma época de tormento, ansiedade, dúvidas e angústias, pois como sobreviver a esse momento sem uma recaída, ou mesmo sem sofrimento causado pela autopiedade ou pela falta de habilidade de lidar a situação e com a pressão da própria família e sociedade.

Para se ter ideia de como é, imaginemos uma festa onde você não pode beber, é muito interessante porque vivemos em uma sociedade etílica, onde se deduz que todos bebem, então você chega a festa e a primeira coisa que te perguntam é: vai beber o que? E se responder que vai de água ou refrigerante a maioria das vezes perguntam o porque, ninguém pergunta por que você bebe, mas quase todos perguntam porque não bebe, e algumas pessoas ainda insistem para que você mesmo assim beba. E tem mais, em uma festa onde a grande maioria faz uso de álcool, todos ficam eufóricos e muitas vezes após algumas horas fica quase insuportável a convivência com a embriaguez dos convidados.

Além do que você fica praticamente sem assunto e sem a motivação de conversar ou de se relacionar com a maioria das pessoas, devido ao tipo de conversa que se tem após algumas doses. É extremamente difícil para quem NÃO pode beber. É preciso saber o que e como fazer nestas festas, senão se rende à tentação e a recaída torna-se certa, e todo um trabalho, todo um esforço se vai a uma dose ou num copo de bebida, que para as pessoas em geral é apenas uma dose, mas para o dependente químico é o início de uma série de recaídas ou até mesmo de ser abertura para buscar outras drogas e usá-las por dias ou meses sem conseguir parar.

As pessoas da festa vão para casa e os dependentes para a rua atrás de mais e mais drogas, geralmente culminando em mais uma internação, recebendo ainda as críticas das mesmas pessoas que o induziram ao uso de apenas uma cervejinha ou dose.

24129992_182381729012189_2935258596566478228_n

Texto: Danilo Della Justina

Psicólogo CRP 15/2070

Doutorando em Psicologia Social


Veja mais


Feliz dia das mães: Texto Danilo Della Justina

  São seis horas da manhã e meu telefone toca, atendo e do outro lado uma mãe aflita, porque seu filho ainda não voltou para casa. Ela sabe, que seu filho por ser usuário...

IMG-20180502-WA0059

Venha participar da sessão solidária do filme “Corrente do Bem”

Pensar na sociedade como sendo um lugar que pode gerar uma transformação tão grandiosa que ultrapasse os limites espaciais da vida de uma pessoa é algo que nos parece longe dem...

22554928_1464663816951057_3909620626766869565_n

Quando a saída é a internação: Texto Joelma Nunes Della Justina

Admitir que precisassem de ajuda, nunca será uma atitude simples. Ainda que os motivos pareçam óbvios aos olhos alheios, aos nossos, sempre deixarão dúvidas. Será, que fiz a ...

Bispo Filho

Bispo Filho é Administrador de Empresas e Estudante de Jornalismo.

Outros posts de Bispo Filho

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>