Blogs


“Boas Festas e Feliz Ano Novo” A relação do Dependente Químico com estas festas:Texto Danilo Della Justina

Esta postagem é de total responsabilidade do blogueiro.

Uma das premissas de qualquer tratamento da dependência química, é: evite lugares, pessoas e hábitos que lembrem o uso de álcool ou drogas.

E aí?

Como fazer nesta época de fim de ano onde só se fala em confraternizações e festas, que para nós brasileiros remete ao uso principalmente de álcool, muito álcool. O fim de ano para uns é época de comemorar o ano que se finda, para outros chorarem pelo ano que não foi como gostaria de ter sido e brindar e festejar passa a ser a regra.

Para o dependente químico é uma época de tormento, ansiedade, dúvidas e angústias, pois como sobreviver a esse momento sem uma recaída, ou mesmo sem sofrimento causado pela autopiedade ou pela falta de habilidade de lidar a situação e com a pressão da própria família e sociedade.

Para se ter ideia de como é, imaginemos uma festa onde você não pode beber, é muito interessante porque vivemos em uma sociedade etílica, onde se deduz que todos bebem, então você chega a festa e a primeira coisa que te perguntam é: vai beber o que? E se responder que vai de água ou refrigerante a maioria das vezes perguntam o porque, ninguém pergunta por que você bebe, mas quase todos perguntam porque não bebe, e algumas pessoas ainda insistem para que você mesmo assim beba. E tem mais, em uma festa onde a grande maioria faz uso de álcool, todos ficam eufóricos e muitas vezes após algumas horas fica quase insuportável a convivência com a embriaguez dos convidados.

Além do que você fica praticamente sem assunto e sem a motivação de conversar ou de se relacionar com a maioria das pessoas, devido ao tipo de conversa que se tem após algumas doses. É extremamente difícil para quem NÃO pode beber. É preciso saber o que e como fazer nestas festas, senão se rende à tentação e a recaída torna-se certa, e todo um trabalho, todo um esforço se vai a uma dose ou num copo de bebida, que para as pessoas em geral é apenas uma dose, mas para o dependente químico é o início de uma série de recaídas ou até mesmo de ser abertura para buscar outras drogas e usá-las por dias ou meses sem conseguir parar.

As pessoas da festa vão para casa e os dependentes para a rua atrás de mais e mais drogas, geralmente culminando em mais uma internação, recebendo ainda as críticas das mesmas pessoas que o induziram ao uso de apenas uma cervejinha ou dose.

24129992_182381729012189_2935258596566478228_n

Texto: Danilo Della Justina

Psicólogo CRP 15/2070

Doutorando em Psicologia Social


Veja mais


agenda-municipal-segurança

É preciso e urgente discutir o Papel dos Municípios na Segurança Pública

Município e Segurança Pública. É possível avançar nesse diálogo? O que os municípios brasileiros e em especial os alagoanos têm feito de importante em termos de políticas...

1231080_591853627553930_2132985955_n

Paixão de Cristo na Cidade de Maria em Craíbas será apresentada na segunda feira dia 26 de março de 2018. Informa o Deputado Givaldo Carimbão

A Paixão de Cristo na Cidade de Maria, no município de Craíbas, agreste de Alagoas, atrai milhares de pessoas na semana santa, segundo o Deputado Givaldo Carimbão idealizador d...

22050132_1469948206422881_200923568594108097_n

Confete e serpentina, Pierrot e Colombina… E a recuperação? : Texto Danilo Della Justina

A recuperação fica seriamente ameaçada, pois são muitas as ofertas de “diversão, prazeres, beleza, alegria (Euforia) e drogas”, principalmente o álcool. Temos uma cultura...

Bispo Filho

Bispo Filho é Administrador de Empresas e Estudante de Jornalismo.

Outros posts de Bispo Filho

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>