sexta, 19 de setembro de 2014
muito nublado22ºCMaceio
 
Mala direta, Assine!

Cadastre-se e receba nossa mala-direta com os destaques do dia. Muito mais comodidade para voce!

Curta a nossa Fanpage Siga-nos no Twitter Assine o FEED
00:00:00

Notícias

Brasil 15h05, 06 de Abril de 2012

Fiel decide ficar sem fofocar durante a quaresma


G1

Muitos católicos fazem da quaresma – período que representa os 40 dias que Jesus passou em jejum em um deserto – uma época para fazer penitência: algumas pessoas deixam de comer carne, doce ou de tomar bebidas alcoólicas. Na cidade de Catalão, a 249 km de Goiânia, no sul de Goiás, uma moradora foi além e decidiu fazer o que chama de jejum de língua. A produtora cultural Gláucia Evangelista resolveu ficar sem falar mal das pessoas durante 40 dias.

Ela conta que sempre teve a prática de fazer jejum e que normalmente abdicava de algum tipo de comida. “Então me veio a ideia de um jejum que edificasse a alma, que modificasse alguma coisa na nossa maneira de viver”, relata.

“De vez em quando é bom fazer uma venenoterapia”, confessa a penitente.

Em respeito à escolha de Gláucia as amigas têm deixado de fazer fofoca perto dela. “Tem umas amigas minhas que brincam dizendo que têm uma fofoca, mas que não irão me contar, pois eu não posso comentar nada. Eu falo que é melhor não contar nada e ficar em silêncio mesmo”, diz.

Falatório

A penitência da produtora cultura deu o que falar na cidade com 86.647 mil habitantes. E por lá mesmo há pessoas que não querem saber de fazer o jejum da língua.

O lavrador Evaldo Santos se defende e diz que tem que falar. “Todo mundo bate na cuia, como é que eu vou ficar para trás. Não posso”, diz.

Para o autônomo Aparecido Francisco Bárbara, essa promessa é impossível de ser cumprida. “Ninguém dá conta. Não tem jeito. Só se for mudo”, diz sorrindo.

Mas há os que afirmam que nunca falaram mal de outra pessoa. “Eu nunca falei mal de ninguém, por incrível que pareça”, diz a ajudante de cozinha Maria Justina Machado.

Roupa

Existem também os que admitem ter falado mal de alguém. Segundo a vendedora Cláudia Rodrigues, o mais comum é falar da roupa de alguém. “O estilo de alguém, se está gordinho ou se está magrinho. Sempre tem algo para se comentar”, afirma Cláudia.

Na opinião da estudante Ivana Carolina Ribeiro, em alguns momentos, é muito difícil ficar de boca fechada. “Eu acho muito difícil. Não tem como. A gente vê e a gente tem que comentar”, admite.

Em tom de brincadeira, o autônomo Aparecido Francisco Bárbara diz que trabalha na esquina da fofoca. “Aqui, um fala da vida da gente e a gente fala da vida do outro. A vida é essa e não pode parar. Não tem esse que não fala da vida do outro”, provoca.

Fonte: G1

  • clara07/04/2012 11h45 comentou:
  • AFFSS.. que matéria mais sem fundamento.. poderiam fazer jejum permanente na maldade que existe hj em dia.. matar, roubar, deixar milhões de crianças com fome..

Compartilhe

mais opções
Publicidade
Anterior Celebre a Páscoa com chocolate e sem espinhas
Próxima Concursos: Semana terá inscrições para 7,3 mil vagas
 
© 2005 - 2014, Alagoas 24 Horas | Anuncie
Redação: Avenida Álvaro Calheiros, 342, SL 13 – Blue Shopping – Mangabeiras
contato@alagoas24horas.com.br
Fone/Fax: (82) 3325-2088
id5 soluções web