terca, 29 de julho de 2014
muito nublado21ºCMaceio
 
Mala direta, Assine!

Cadastre-se e receba nossa mala-direta com os destaques do dia. Muito mais comodidade para voce!

Curta a nossa Fanpage Siga-nos no Twitter Assine o FEED
00:00:00

Notícias

Artigos 14h10, 06 de Outubro de 2013

A crise da Educação e Segurança


Renan Calheiros*

Na semana que passou o Senado Federal instalou duas comissões para discutir fontes de financiamento para dois problemas brasileiros: a Educação e a Segurança Pública. Ambas são formadas por senadores e têm prazo determinado para apresentar soluções concretas.

As instituições precisam, sem demora, enfrentar o problema da insegurança e mudar o modelo para combater a criminalidade ascendente. Carecemos com urgência de um novo modelo de Segurança Nacional, com organicidade.

Precisamos de definições claras de competências e, principalmente, financiamento. A obrigação com Segurança Pública continua sendo dos estados, mas todos sabem que o centralismo fiscal vigente estrangula estados e municípios nas suas missões mais essenciais.

Defendi, no Ministério da Justiça e no Parlamento, uma vinculação orçamentária, ainda que temporária, para a Segurança Pública. Igualmente defendo a proibição de contingenciamento de verbas destinadas à Segurança. Segurança Pública conjuga inteligência, investimentos em equipamentos e em pessoal.

Na educação, uma nova pesquisa preocupou: a taxa de analfabetismo parou de cair. Há 15 anos, não havia aumento no índice de analfabetismo. É justamente por causa da educação, que ainda não conseguimos melhorar significativamente nosso IDH.

Apesar dos problemas, tivemos avanços. O nível de investimentos no Brasil aumentou de 3,5% para 5,6% do PIB entre os anos 2000 e 2010. O desafio, agora, além de manter as crianças na escola, é melhorar a qualidade da nossa educação.

Para isso, é preciso planejamento, vontade política e uma fonte de financiamento, clara e previsível. O Senado tem feito a sua parte. Aprovamos, e já foi sancionado pela presidente Dilma Rousseff, o projeto que destinou 75% da parte dos royalties do petróleo para a educação.

Além disso, estamos discutindo o Plano Nacional de Educação, que prevê investimentos de 10% do PIB na educação. São esforços do Parlamento que certamente redundarão em um novo modelo de Segurança e melhorias substantivas na Educação brasileira.

(*) É senador pelo PMDB-AL e presidente do Congresso Nacional

Leia mais

  • Roziete Cipriano dos Santos11/10/2013 18h19 comentou:
  • É financiamento para isso, para aquilo.De que adianta só mais dinheiro? Para ser mal usado. Os escândalos sobre desvios de dinheiro da educação pelas prefeituras estão sempre em evidência no noticiário e fica por isso mesmo. Acreditar no que político fala...
  • JEu06/10/2013 17h47 comentou:
  • Bonitas palavras, porém falta a ação... Falar em ano pré-eleitoral é fácil, fazer é outra coisa... Cadê a PEC 300? Ela não é de autoria do Senador Renan Calheiros?...

Compartilhe

mais opções
Publicidade
Anterior Renan Filho participa do aniversário da cidade de Igaci
Próxima Alagoanos fazem mais de 4,8 mil ligações para o Disque Denúncia
 
© 2005 - 2014, Alagoas 24 Horas | Anuncie
Redação: Avenida Álvaro Calheiros, 342, SL 13 – Blue Shopping – Mangabeiras
contato@alagoas24horas.com.br
Fone/Fax: (82) 3325-2088
id5 soluções web