terca, 02 de setembro de 2014
parcialmente nublado23ºCMaceio
 
Mala direta, Assine!

Cadastre-se e receba nossa mala-direta com os destaques do dia. Muito mais comodidade para voce!

Curta a nossa Fanpage Siga-nos no Twitter Assine o FEED
00:00:00

Notícias

Brasil 14h01, 17 de Outubro de 2013

Negro tem maior probabilidade de ser assassinado no Brasil, diz Ipea

Risco de homicídio tira 1,73 ano de expectativa de vida do negro, e 0,71 ano do não negro.


ABr
Ipea: mais de 60 mil pessoas são assassinadas por ano no Brasil
Ipea: mais de 60 mil pessoas são assassinadas por ano no Brasil

A probabilidade de um brasileiro de cor negra ou parda ser assassinado no País é oito pontos percentuais maior do que a de um não negro (brancos e amarelos). O dado é destacado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) em seu Boletim de Análise Político-Institucional, divulgado nesta quinta-feira (17).

A pesquisa lembra que mais de 60 mil pessoas são assassinadas no Brasil a cada ano e destaca que “há um forte viés de cor/raça nessas mortes”. Segundo o diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia do Ipea, Daniel Cerqueira, que assina o levantamento, o negro é discriminado duas vezes no Brasil: pela condição social e por sua cor da pele.

Os dados do estudo dão conta de que a taxa de homicídios entre negros e pardos (36,5 por 100 mil) é mais do que o dobro do que entre não negros (15,5 por 100 mil). Como consequência desse quadro, a perda de expectativa de vida para negros devido à violência letal é 114% maior.

Os pesquisadores envolvidos na pesquisa destacaram que, se no Brasil a exposição da população como um todo à possibilidade de morte violenta já é grande, ser negro significa pertencer a um grupo de risco, já que a cada três assassinatos, dois são de negros.

Somada a população residente nos 226 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes, o Ipea calcula que a possibilidade de um adolescente negro ser vítima de homicídio é 3,7 vezes maior em comparação com os brancos.

Segundo o instituto, os dados indicam que enquanto o homem negro perde 1,73 ano de expectativa de vida ao nascer, a perda do branco quando se considera o risco de homicídio é de 0,71 ano. Esses números levam o Ipea a questionar se existe racismo institucional no Brasil.

Desconfiança

Outro indicador destacado pelo Ipea contribui para a hipótese do racismo institucional: enquanto apenas 38,2% dos não negros vítimas de agressão tendem a não procurar a polícia para registrar o crime, quando se trata de negros a proporção sobe para 68,8%.

Entre as razões para não buscar auxílio policial estão a falta de crença no trabalho da polícia e o receio de sofrer represálias. Entre os negros, esse medo é maior (60,7%) do que entre os não negros (39,3%). Não por acaso: segundo o levantamento, negros compõem a maior parte das vítimas de agressão por parte de policiais.

A Pesquisa Nacional de Vitimização mostra que 6,5% dos negros que sofreram uma agressão no ano anterior à coleta dos dados pelo IBGE, em 2010, tiveram como agressores policiais ou seguranças privados, contra 3,7% dos brancos. Para o Ipea, enquanto existir essa diferença de dados entre cidadãos de cor diferente, a democracia estará incompleta.

Fonte: R7

Leia mais

Compartilhe

mais opções
Publicidade
Anterior Identidade partidária e oportunismo político: Dois pólos da política brasileira
Próxima Alagoanos fazem mais de 4,8 mil ligações para o Disque Denúncia

Tags

HPV Macacos imunizados com vacina anti-HIV brasileira passam por testes Jovens sem trabalho Veneno de vespa age contra perda de neurônios por Parkinson, diz estudo Comissão de Direitos Humanos da OAB/AL participa reunião para tratar de linchamentos Dia do Biólogo será comemorado nesta quarta na rede estadual de ensino Terapias Acusado de matar cartunista Glauco é preso suspeito de latrocínio em GO SMS e AAPPE realizam entrega de aparelhos auditivos Baiano que nasceu com a cabeça virada para trás dá palestras motivacionais Saiba como aumentar os seios sem implantes de silicone Conheça a doença que faz desenvolver mais de 200 dentes Aprenda a escutar a sua intuição Você é alérgico a que? De coceira a morte instantânea, veja tipos e sintomas Erasmo Carlos e Roberto Carlos entram com processo contra Tiririca Proposta garante a participação de herdeiros em revenda de obra original PEC cria fundo para valorizar profissionais de segurança pública mulher perdoa desejo grávida João Kepler celular em garrafa térmica ex-bbb amanda ASA e Cuiabá 13º INSS Concursos públicos Audiências do projeto Justiça Terapêutica obtêm 100 de acordos Campeonato Brasileiro 2014 regulamentação da maconha morte de soldado Sport Club do Recife Vila Emater II Hemoal realiza coleta de sangue no Centro de Maceió nesta terça Sport Recife falta dágua Marina eleições 2014 corinthians sp Jennifer Lawrence espetáculo teatral vídeo íntimo dilma rousseff São Paulo-SP homicídio e tentativa James Magalhães Mundial de vôlei masculino namorado Ronaldinho Gaúcho Assistência farmacêutica morte de policial Lacen vingança Igreja Universal lei de promoções grávida racismo julgamento chacina expulsão Homicídios Lagoa da Canoa Atlético-MG Santa Casa de Misericórdia de Maceió queda de avião Rui Palmeira Marina Silva produção legalização da maconha maconha protesto celebridades playboy IMA Cesmac cerveja Palmeira dos Índios condenação eleições estupro atropelamento ibge
 
© 2005 - 2014, Alagoas 24 Horas | Anuncie
Redação: Avenida Álvaro Calheiros, 342, SL 13 – Blue Shopping – Mangabeiras
contato@alagoas24horas.com.br
Fone/Fax: (82) 3325-2088
id5 soluções web