quarta, 01 de outubro de 2014
parcialmente nublado24ºCMaceio
 
Mala direta, Assine!

Cadastre-se e receba nossa mala-direta com os destaques do dia. Muito mais comodidade para voce!

Curta a nossa Fanpage Siga-nos no Twitter Assine o FEED
00:00:00

Notícias / Reportagens Especiais

Economia 22h05, 06 de Agosto de 2005

Avestruz: a solução para o sertão alagoano

O Estado de Alagoas desponta como o primeiro do Nordeste na criação das aves


Luis Vilar
Alagoas 24 Horas
A Avestruz faz parte de um projeto que promete desenvolver o sertão alagoano
A Avestruz faz parte de um projeto que promete desenvolver o sertão alagoano

O Brasil é – atualmente – o terceiro maior criador de avestruzes do mundo. Dentro deste cenário, o Estado de Alagoas ocupa a primeira colocação na criação das aves, no Nordeste. O que representa segundo o criador Luis Carlos Costa, o Lula Cabeleira, uma posição, que vai além da mera condição de destaque, pois significa a solução para a geração de emprego e renda no sertão nordestino.

Sendo a avestruz uma ave que vive sob condições de calor intenso, por ser originária do continente africano, o sertão alagoano é quase um habitat natural. Decorrente deste fato, a criação de avestruzes em Alagoas não só deu certo, como representa a perspectiva de surgimento de mais de dois mil empregos diretos, até o ano de 2008.

números

Vale ressaltar que este ramo de atividade movimenta hoje, em Delmiro Gouveia, R$ 40 milhões por ano. “Este número é referente ao abate da carne, pois o quilo custa em média R$ 18. Cobramos abaixo para que todos possam ter acesso a uma carne que é mais nutritiva e com menor taxa de colesterol que o boi, frango e peru. Se levado em conta que da avestruz tudo se aproveita, nascem empregos indiretos e maior geração de renda”, destaca Lula Cabeleira.

O empresário Lula Cabeleira – um dos pioneiros na atividade – trabalha com um criatório que se aproxima das duas mil aves, e com a perspectiva de chegar a três mil em 2008, em Delmiro Gouveia, município distante 300 quilômetros de Maceió.

“Já possuímos 1.149 ovos que devem chocar em 42 dias. Cada casal de avestruz (forma como é vendida) pode chegar a custar R$ 15 mil e é um investimento com retorno garantido, pois as aves procriam rápido, e cada ave gera 35 quilos de carne, além das demais matérias-primas. Vejo neste negócio do desenvolvimento de minha cidade, e por isto invisto”, explica o empresário.

emprego e renda

O pensamento de Lula Cabeleira – respaldado por um estudo científico encomendado por ele mesmo e sua equipe técnica – prevê o assentamento de vários trabalhadores rurais sem terra, para trabalhar diretamente com a criação das aves. “Estamos com uma parceria com o Incra (Instituto de Colonização e Reforma Agrária), onde mudaremos a vida destas famílias carentes, pois o retorno é garantido no terceiro ano de projeto”, explica Lula.

De acordo com ele, cada família beneficiada pelo projeto, pode vir a ter uma renda mensal de no mínimo cinco salários mínimos, “trabalhando em uma terra que é deles”. “O pedaço de terra que estamos incluindo no Projeto Avestruz atenderá a cerca de 500 famílias do sertão alagoano”, explica. Ao todo, Cabeleira espera que o projeto possa render para os sertanejos o lucro líquido de R$ 74 mil ao ano.

benefícios da avestruz

“Para se ter idéia da potencialidade da criação destas aves, da avestruz se aproveita até a unha”, destaca Lula Cabeleira, colocando que há pessoas em Delmiro Gouveia que conseguem – hoje – sobreviver, graças ao artesanato produzido com ovos e unhas de avestruz. “São chaveiros, abajur, pinturas, artigos para enfeites e bijuterias feitas a partir deste material. Nada se perde, e com a criatividade do brasileiro e força de vontade política movimentamos a economia de uma região”.

É possível fazer a partir da produção de avestruz vários produtos manufaturados, que atendem a diversas indústrias, que vão desde as alegorias carnavalescas às montadoras automotivas.

Do couro da avestruz – por exemplo – é produzido vestimentas. Da plumagem, se fabrica estofados de luxo e fantasias e até os ossos são aproveitados, pois a farinha da carcaça, como é conhecida, é uma ração animal bastante nutritiva. Isto sem contar que a carne da ave é mais saudável e uma das menos calóricas.

Galeria de Imagens

Links Relacionados

Compartilhe

mais opções
Publicidade
Anterior Arvorismo deixa o praticante com síndrome de Tarzan
Próxima Alagoas capacita estrangeiros para trabalhar com carne de avestruz

Tags

eleições 2014 celebridades cirurgia Orkut homicídio prisão assalto a ônibus Fórmula 1 segurança Maragogi JUSTIN BIEBER olheiro peça teatral apreensão de menor Sine Maceió assalto a estabelecimento comercial Outubro Rosa negligência Dilma Roussef Ifal pátio maceió Classe C jacintinho Joãozinho Paulista Liga dos Campeões desaparecida mulheres filme Fernando Alonso tarifa de ônibus prisão e apreensão Jequiá da Praia falso médico Chips racismo china Marina Silva Palmeiras aborto Idosos Grau de escolaridade influi nos rendimentos dos brasileiros Ufal abre inscrições para Curso Básico de Informática Jovem é morto a tiros na parte alta de Maceió Novos talentos Golpe no Rio de Janeiro golpe do futebol Dupla vai registrar BO e acaba presa por receptação em Craíbas Brasil e EUA encerram disputa de mais de uma década sobre algodão Projeto obriga escolas a respeitar convicções familiares sobre sexo e religião Eleitor fora do domicílio eleitoral precisa justificar ausência Projeto muda regra de repasse para estados e municípios aplicarem em ensino superior Spartak Moscou PC nas eleições Lixo Haroldo da Costa Fundação Getulio Vargas (FGV) Exame Nacional do Ensino Médio joivem de 17 anos Hong Kong Os Vingadores 3 Bloqueio BR 423 Presidenciáveis entidades filantrópicas audiência de conciliação salários INSS triplo homicídio no Jacintinho Casa de Direito Santa Casa de São Paulo Especialista aponta caminhada como novo 'super-alimento' Ebola pode gerar perdas de quase US$ 2 bi em países africanos, diz Banco Mundial CRB/AL Angela Sousa São Paulo FC Ebola: Vírus chegou à Europa em garrafa térmica em 1976 Ebola Seris LIGA DOS CAMPEÕES2014 Inflação 2014 Críticas falta dágua marvel
 
© 2005 - 2014, Alagoas 24 Horas | Anuncie
Redação: Avenida Álvaro Calheiros, 342, SL 13 – Blue Shopping – Mangabeiras
contato@alagoas24horas.com.br
Fone/Fax: (82) 3325-2088
id5 soluções web