Cartão de crédito clonado é fraude mais comum no Brasil

Levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito mostra que 8,9 milhões de brasileiros já foram vítimas de fraude

Ter o cartão de crédito clonado é a principal fraude sofrida pelos consumidores nos últimos dois anos, de acordo com dados divulgados pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas)

O levantamento revela que 8,9 milhões de brasileiros foram vítimas de fraude entre 2018 e 2019. A maior parte das ocorrências, que representa 41% das vítimas, está ligada à clonagem de cartão de crédito. Nos últimos anos, os bancos têm facilitado o acesso aos cartões, oferecendo, por exemplo, cartão sem anuidade,

“A clonagem prejudica o consumidor, que enfrenta burocracia para provar que aquela compra não é sua e, algumas vezes, acaba arcando com o custo. E também traz perdas ao comércio, quando a operadora do cartão não paga pela compra ou aumenta a sua taxa de administração pelo crescimento do número de fraudes”, ressalta Noilton Pimentel, gerente do bureau de crédito do SPC.

As principais consequências das fraudes são: compras indevidas em nome da pessoa (37%) e prejuízos financeiros (24%). Outros problemas relacionados são a perda de tempo com processos burocráticos para regularizar a situação e a inclusão em cadastros de inadimplentes, deixando a pessoa com o nome sujo. As duas situações têm 22% das citações.

Para evitar fraudes, especialmente quem está em nicho de cartões, o Serviço de Proteção ao Crédito tem divulgado algumas dicas que podem salvar sua vida – e também sua conta bancária.

*Antes de fazer qualquer compra, certifique-se sobre a idoneidade do estabelecimento comercial. Pesquise sobre a reputação da empresa e redobre atenção em sites de comércio eletrônico. Os canais de venda virtuais são obrigados a fornecer dados, como razão social, endereço, telefone e CNPJ;

*Desconfie de produtos com preço muito abaixo do praticado pelo mercado e sempre exija nota fiscal. Essas atitudes resguardam o consumidor, caso ele tenha que fazer uma eventual troca do produto ou venha pedir algum ressarcimento;

*Nunca forneça dados pessoais ou bancários por telefone. Caso tenha de atualizar algum cadastro, procure pessoalmente a instituição financeira ou ligue diretamente para o serviço de atendimento ao consumidor;

*Em caso de perda, roubo, furto ou extravio de documentos pessoais, como CPF, CNPJ, certidão de nascimento, cheques”.

Fonte: Assessoria

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *