Família acusa militares por morte de jovem durante abordagem no Tabuleiro

A Polícia Militar, por sua vez, afirma que o rapaz atirou na guarnição que reagiu à injusta agressão

Arquivo

Wanderson Sabino de Oliveira, 26 anos

Familiares do jovem Wanderson Sabino de Oliveira, de 26 anos, acusam uma guarnição da Polícia Militar de tê-lo executado durante uma abordagem, no bairro do Tabuleiro do Martins. Segundo a família, os dois seguiam na motocicleta da vítima em busca de alugar um apartamento.

A testemunha do fato, um primo da vítima menor de idade, conta que os policiais mandaram parar e colocar as mãos na cabeça. Disse ainda que a moto estancou e que quando Wanderson levantou as mãos foi atingido com um disparo de arma de fogo na cabeça.  Ele disse também que um dos militares quis insinuar que o rapaz estava armado, mas ele garante que não é verdade.

O crime ocorreu na última quarta. Ainda segundo os familiares, o adolescente foi liberado pela guarnição, enquanto Wanderson foi levado ao Hospital Geral do Estado pelos próprios militares. Horas depois, a família foi acionada pelo serviço social da unidade de saúde informando que a vítima estava em estado gravíssimo. Os fatos foram denunciados à Polícia Civil e à Corregedoria Geral da Polícia Militar.

Vanderson deixa um filho de apenas oito meses e outra criança de três anos. Ainda segundo os familiares, ele trabalhava instalando antenas.

Durante o sepultamento da vítima, na tarde desta quinta-feira, 13, o padrinho de Wanderson, o policial civil Carlos Jorge, ex-dirigente do Sindpol, disse que está pedindo proteção ao menor que presenciou o fato e uma apuração rigorosa por parte da Delegacia de Homicídios da Capital (DHPP) já que todos têm certeza que o rapaz é inocente e que morreu durante uma abordagem truculenta e que houve simulação de tiroteio.

A Polícia Militar informou, por meio de nota à imprensa, que a guarnição informou que o condutor da moto foi abordado e que houve resistência. Wanderson atirou contra a equipe e houve confronto. Além disso, a PM disse que os militares apresentaram à delegacia todo o material relacionado à ocorrência. Agora, a instituição vai aguardar o andamento das investigações por parte da DHPP e ser notificada oficialmente.

 

Veja Mais

4 Comentários

  • Clone says:

    Se o motociclista efetuou disparo contra a guarnição. Porquer eles liberou o garupa. No caso se disparou contra guarnição era pra o outro ficar detido. Nesse angu tem caroço e do brabo

  • Moradora says:

    Para os senhores verem como são as coisas,os Policias andam com medo de serem mortos por bandidos das facções que já tomaram conta da nossa capital,eu já ouvi alguns bandidos falando o seguinte se souber que fulano ou sicrano é um ou uma Policial leva tiro na cara,e tem também muitos jovens que são parentes de Policias e querem debater e arrumar problemas com as guarnições que estão fazendo seu trabalho para defender famílias de bem que estão sofrendo sendo ameaçadas por facções criminosas.Bom no meu entender pessoas de bem não tem e nem deve ter medo da Policia e sim deve respeitar e aplaudir o trabalho dos Policiais.Quem ter que ter medo da Policia são os traficantes,assaltantes e bandidos em geral.Confio nas Policias Militar e Civil do nosso estado.

  • Josuel says:

    Todo mundo já está cansado de saber que o Polícia Militar de Alagoas não tem credibilidade. Mata as pessoas e sempre diz a mesma coisa: estavam armados, atiraram na guarnição, estavam com drogas, estavam com armas e por aí vai.. e no Graciliano Ramos que plantaram armas na cena do crime.

  • Nirualdo, o mirado says:

    Um rapaz de 26 anos pilotando a motocicleta com um menor de idade na garupa iria abrir fogo contra uma guarnição de policiais completamente armados? Desculpa mais sem lógica que já vi, além do mais se isso tivesse ocorrido teriam atirado no menor também. Polícia totalmente despreparada, matando inocentes sem um mínimo motivo, são bandidos disfarçados… terão um destino muito pior, a justiça divina não falha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *