Policiais civis definem nesta segunda se paralisam atividades durante Carnaval

O Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol-AL) realizará uma assembleia geral, na segunda-feira (17), às 13 horas, no Clube de Engenharia de Alagoas, onde a categoria decidirá sobre o indicativo de paralisação.

O presidente do Sindpol, Ricardo Nazário, informa que os policiais civis estarão reunidos para decidir sobre a possibilidade de paralisação no Carnaval, devido ao secretário da Secretária de Planejamento e Gestão, Fabrício Marques, ter informado à diretoria do Sindpol, na última reunião, que o governador Renan Filho deu a ordem para não negociar.

“O secretário Fabrício Marques foi bem claro, dizendo que o governador não autorizou que ele negociasse com o Sindicato. Então, a partir de agora, já que o governador Renan Filho, ao invés de dialogar e negociar com o sindicato, fez a opção pelo confronto com os policiais civis, então será decidido na assembleia o rumo do enfrentamento, que foi a mensagem que o secretário passou ao Sindpol, que o governo Renan Filho, em outras palavras, quer enfrentar os policiais civis”, disse o presidente do Sindpol.

Ricardo Nazário entende e acredita que esse ato do governador Renan Filho de dar ordem ao secretário Fabrício para não negociar, como ato irresponsável por parte de um governador do Estado. “É um governador novo, de uma geração que não dialoga e não conversa. Infelizmente, os policiais civis irão ter que traçar os rumos da luta, pautando o enfrentamento já que não há diálogo com o governador”, aponta.

Os policiais civis estão desde o ano passado em campanha salarial, lutando pela valorização. A categoria reivindica piso salarial pela média nacional e reivindica o reconhecimento do salário de nível superior da Segurança Pública em Alagoas. Atualmente, é a categoria que recebe o pior piso salarial com nível superior e é o 24º pior salário do Brasil, acumulando perdas salariais de mais de 20%, mesmo com excelente desempenho no combate à violência, enfrentando a carência de efetivo. No ano passado, realizaram mais de 150 mil boletins de ocorrência, prenderam 5.752 criminosos, concluíram mais de 13 mil inquéritos e recuperaram 1.285 veículos. Cada policial trabalha por quatro, por conta da falta de policiais civis nas delegacias. Isso tem levado ao esgotamento e adoecimentos, implicando em mortes de mais de 40 policiais civis nos últimos 4 anos.

Fonte: Sindpol

Veja Mais

1 comentário

  • Moradora says:

    Eu moradora do bairro do Vergel do Lago peço aos senhores Policias Civis que deixem para paralisar suas atividades após o período Carnavalesco,porque os traficantes da facção PCC estão prometendo fazer muitas desordem no bairro os faccionados saem do conjunto Virgens dos Pobres para horrorizar as famílias,efetuando disparos de armas de fogo,cometendo assaltos,crimes de homicídios e tudo o quanto não presta.O problema é que nem nos ligando para o disque denuncia 181 ou 190 os Policias Militares não darão conta desses traficantes sem à ajuda da Policia Civil,já fui vitima desses faccionados do PCC tive minha filha sequestrada e tive que pagar o regate para essa facção,por favor pensem em nos pessoas de bem do estado de Alagoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *