Mulher tem corpo queimado; Família quer esclarecer como aconteceu

Vítima é a modelo Katiuscia Silva Mota de 31 anos. Em vídeo gravado por câmera de segurança, ela aparece com o corpo tomado pelas chamas até ser socorrida.

Reprodução

Imagens de uma câmera do local mostram a mulher com o corpo em chamas

A família da mulher que teve o corpo incendiado em um condomínio da Serra, no Espírito Santo, na noite desta segunda-feira (10), tenta entender como tudo aconteceu.

Katiuscia Silva Mota, de 31 anos, que é modelo, está internada no Hospital Jayme Santos Neves, unidade referência no tratamento de queimados, e ainda não esclareceu para os familiares como ficou com o corpo tomado pela chamas.

O desespero de Katiuscia foi registrado por uma câmera de videomonitoramento do condomínio onde ela mora com uma outra jovem, de 21 anos, que disse ser namorada dela.

Nas imagens, é possível ver quando a jovem atravessa a porta de vidro, que tranca automaticamente, e sai do prédio.

Segundos depois, Katiuscia aparece do lado de dentro, já com o corpo em chamas. Ela consegue sair e, com a ajuda da companheira e de outras pessoas, o fogo é apagado. Katiuscia teve queimaduras em cerca de 45% do corpo.

A jovem que mora com Katiuscia disse que as duas tiveram uma discussão momentos antes do vídeo. Ela explicou que trabalha com a fabricação de essências, perfumes e colônias, utilizando material inflamável.

Na briga, segundo ela, Katiuscia estava sob efeito de remédios e acabou entrando em contato com o álcool que estava no apartamento das duas.

“Eu acredito que brigas entre casais aconteçam. Eu não sei o que dizer, porque não foi eu. Todo mundo está me acusando, mas na gravação mostra exatamente o que aconteceu. Ela tem crise de ansiedade, eu também, ela acabou tomando medicamento fortes e acabou acontecendo que houve uma discussão maior, ela pegou meu material, começou a jogar no chão, e esse material é inflamável”, disse.

De acordo com a jovem, o fogo foi causado por um isqueiro.

“Eu tentei apartar, e acabou caindo [alcool] nela, em mim e no chão. Eu perguntei ‘Você vai tacar fogo na gente?’. Quando eu vi o olhar dela, eu tentei jogar o isqueiro para fora, ele bateu na janela e voltou. Nisso, eu consegui pegar de novo, joguei debaixo da geladeira e ela conseguiu pegar o isqueiro. Nisso que ela pegou o isqueiro, eu já abri a porta e saí correndo. Tem na filmagem eu do lado de fora falando com ela ‘Você vai fazer isso mesmo?’ Foram três segundos”, disse.

A mãe de Katiuscia, Marilza Silva Mota, esteve no hospital e falou com a filha, mas a jovem ainda não deu detalhes sobre o que aconteceu dentro de apartamento.

“Ela está um pouco confusa, falou que tinha algo molhado e um cigarro e, de repente, quando viu, a porta estava trancada e ela não conseguiu sair”, contou.

A mãe não acredita que Katiuscia tenha tentado atear fogo ao próprio corpo, principalmente, porque sempre foi vaidosa e trabalha como modelo. Segundo ela, a jovem já venceu concursos de beleza e foi capa de revista.

“Ela é muito vaidosa, e aí ela coloca fogo no corpo? Se ela quisesse se matar, eu acredito que ela colocaria fogo na casa toda. Pode ter caído esse álcool e pode ter esse cigarro, ela não fuma cigarro, mas pode ter caído esse cigarro que ela falou. Ela falou ‘Mãe, eu sei que tinha álcool e cigarro’”, contou Marilza.

A mãe ainda disse que Katiuscia está internada na Unidade de Terapia Intensiva e sente muitas dores por causa das queimaduras. Apesar disso, ela está estável.

Procurada pelo G1, a Polícia Civil não soube informar se algum boletim de ocorrência foi registrado sobre esse caso.

“A assessoria não tem como obter essa informação já que as vítimas podem registrar o boletim em qualquer delegacia física, ou, ainda optar pelo registro online. Para solicitarmos informações sobre o caso, precisamos do número do boletim de ocorrência registrado pela vítima na delegacia.

A Polícia Civil informa que caso a vítima tenha sofrido queimaduras proveniente de sua companheira, que registre a ocorrência podendo comparecer pessoalmente a uma delegacia ou realizar o registro por meio da Delegacia Online, https://delegaciaonline.sesp.es.gov.br , para que a Polícia Civil tome ciência do caso e inicie as investigações”, diz a nota enviada à imprensa.

Fonte: G1

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *