PC prende, em Boca da Mata, acusado de matar caminhoneiro em São Paulo

Um homem de 59 anos, que estava foragido da Justiça do estado de São Paulo, foi preso em mais uma operação deflagrada pela Seção de Capturas, da Divisão Especial de Investigações e Capturas (DEIC), da Polícia Civil de Alagoas, sob coordenação do delegado Gustavo Henrique, nesta segunda-feira (21).

O foragido foi capturado no município de Bocada Mata, no interior de Alagoas, em cumprimento a mandado de prisão preventiva expedido pela 3ª Vara Criminal da Comarca de Guarulhos (SP), por suposto envolvimento em crime de Latrocínio, fato que ocorreu em 1997 naquele município paulista.

De acordo com o que foi apurado pela Polícia Civil de São Paulo, o indivíduo preso, juntamente com mais cinco infratores, teriam, no dia 17 de fevereiro de 1997, na Rodovia Presidente Dutra, cometido um assalto, inclusive fazendo emprego de armas de fogo, ocasião em que subtraíram um caminhão Volvo, bem como a carga existente. “Não satisfeitos, efetuaram disparos contra a vítima, o caminheiro Pedro Guilherme Trott, inclusive em sua nuca, provocando-lhe a morte”, disse o delegado Gustavo Henrique.

O mandado de prisão foi expedido em 02 de março deste ano, e encaminhado, por carta precatória, para Alagoas, a fim de ser cumprido.

Após o recebimento do mandado, os agentes da Seção de Capturas da Especializada realizaram uma série de diligências, culminando na localização do endereço do foragido, no município de Boca da Mata, local onde ocorreu a prisão.

“Destaco mais esse excelente trabalho desencadeado pela Seção de Capturas da Especializada, bem como reitero a importância da troca constante de informações entre as polícias judiciárias de todo o País, mesmo porque a criminalidade atualmente não tem fronteira”, frisou o diretor da DEIC da PCAL. Ele concluiu destacando que, no corrente ano, inúmeras prisões de foragidos de outros estados da Federação já foram efetuadas aqui em Alagoas e vice-versa.

Após a captura, o preso foi levado para a sede da DEIC, onde foi formalizado o cumprimento do mandado de prisão e, após, encaminhado ao sistema prisional de Alagoas, onde permanecerá à disposição da Justiça paulista.

Fonte: Ascom PC/AL

Veja Mais

4 Comentários

  • JOSÉ AMARO LOPES BEZERRA says:

    Essa prisão é um grande erro jurídico. Ano passado foi uma oficial de justiça no endereço da irmã dele, não o encontrando já que ele morava em Boca da Mata, deixou uma intimação pra ele comparecer no fórum do barro duro, o que ele depois de avisado fez, tomando ciência da acusação gravíssima que lhe impunham, esclareceu que não se tratava dele, que havia ali um enorme engano, que apenas nascerá em São Paulo e veio pra Maceió com 4 anos de idade, que nunca viajou pra São Paulo e na época trabalhava e morava aqui em Maceió, comprovou tudo com com provas, fotos pessoais e testemunhas requeridas pelo judiciário, deixando inclusive seu endereço atualizado caso precisassem dirimir alguma dúvida. Porém pra surpresa da família e dos amigos esse cidadão foi preso na sua residência. Lamentável, por que acompanhei todo esse processo ano passado, pois me pediu devido ele ser uma pessoa humildade e não estava entendendo o que estava acontecendo. Peço por ele e pelo Direito de fato, que alguma autoridade se sensibilize e veja a situação desse senhor. Tenho plena convicção que está em curso um erro gravíssimo, que já está deixando sequelas irreparáveis nele e nos seus familiares e amigos

    • Maria Vanete Andrade Moreira says:

      Estou perplexa e indignada com a injustiça que está sendo cometida com o cidadão Reginaldo Sebastião da Silva, que por uma infeliz coincidência, tens o mesmo nome do criminoso, que tirou a vida de um motorista de caminhão, roubando-lhe também a carga em São Paulo. Verdadeiramente nessa época, em 1997, o Regis, como é conhecido, estava trabalhando de carteira assinada e não se afastou de Alagoas em tempo algum.
      O Reginaldo é conhecido por muitos no bairro onde morou antes de ir residir em Boca da Mata – Alagoas. É uma pessoa querida e respeitada na nossa região. Conheço-o desde 1983. Sempre nas suas horas vagas, ele prestava serviços de encanação, eletricidade e etc… Por isso é bem conhecido. Ele é um homem de confiança de muitos, extremamente humilde e não merece estar passando por isso. É INOCENTE!
      Espero que a justiça seja feita em favor dele.

  • Valdenice maria da Silva says:

    Boa noite para todos. Aqui vai um apelo de uma família, desesperada pelo que está. Acontecendo com uma prisão que foi injustiçado um inocente que prendeu em boca da Mata e uma pessoa que não têm nada a ver com o crime que estão acusando ele de latrocínio seguindo de morte em são Paulo ele nasceu la e veio pra Alagoas com 4 anos de idade e nuca retornou a são Paulo eu pesso justiça para o juiz e desebargado de são Paulo. Que investigui essa acusação que o meu irmão está sendo acossado injustamente se ele fose essa pessoa perigoso eu não estava defendendo ele nós samos uma família pobre. Nosso pai ensinou a não mata roubar nem enganar niguem e sim a respeitar as pessoas de qualquer classe social

  • Maria Vanete Andrade Moreira says:

    Meu nome é Maria Vanete Andrade Moreira, moro no Conjunto Cidade Universitária (INOCOOP), vizinho ao Eustáquio Gomes, bairro onde morou o Reginaldo por muitos anos. Eu o conheçi no início dos anos 80, quando utilizava seus serviços em consertos caseiros diversos. Nasceu daí uma grande amizade de confiança mútua entre ele e minha família. Era o nosso amigo de confiança e creio ser ele amigo de confiança de muita gente daqui. Muita gente o conhece e o estima. Pessoa honesta, pacata, digno de toda a confiança. Estou perplexa por que ele está sendo acusado de um crime que não cometeu. Em 1997 ele estava trabalhando com carteira assinada aqui em Maceió e tem comprovação disso. Por que continua preso? Por favor, que a justiça daqui de Alagoas possa comprovar para a de São Paulo que essa acusação não procede. Além disso ele tem a saúde comprometida e pode acontecer o pior com a vida dele diante dessa injustiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *