Brasil de Tite chega a 50 jogos com ótimo aproveitamento, mas poucos jogos contra europeus

Há 1.500 dias Tite descobre o que é treinar a seleção brasileira. Trata-se de aprendizado que nunca acaba: às cobranças usuais, somam-se novas, como a necessidade de fazer a equipe voltar a ter uma sequência de bons jogos com menos horas de trabalho presencial que o previsto, devido à pandemia da Covid-19. Aos obstáculos tradicionais, acrescenta-se um outro, o de melhorar o desempenho tendo cada vez menos chance de testá-lo contra adversários fortes da Europa.

Neste caminho de descobertas contínuo, Tite terá mais uma partida pela frente hoje, às 21h, contra o Peru, em Lima, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo do Qatar. Trata-se de um jogo simbólico: será o 50º do técnico à frente do Brasil.

— Na seleção é preciso administrar o tempo porque você não está constantemente com os atletas, ela te retira um pouco do trabalho de campo e te deixa mais no campo dos estudos. E no momento em que busca o dia a dia você tem que ser muito pontual, preciso no treinamento e nas funções dos atletas. A seleção te tira o dia a dia, o cheiro do vestiário — resumiu Tite, comparando o trabalho na CBF à rotina que tinha nos clubes.

Desde o primeiro jogo, em setembro de 2016 (vitória de 3 a 0 sobre o Equador, em Quito), até o desta noite, o treinador experimentou a euforia gerada pelo ótimo começo de trabalho, a decepção com a derrota nas quartas de final da Copa do Mundo da Rússia e as cobranças pela queda de rendimento da equipe nos últimos jogos de 2019. Uma montanha russa emocional sustentada pelo ótimo aproveitamento de pontos: 78,2%. Desde 1980, apenas dois treinadores que fizeram 30 jogos ou mais à frente da seleção tiveram rendimento superior: Telê Santana, de 1980 a 1982, com 80% de aproveitamento, e Zagallo, que de 1994 a 1998 somou 79,6% dos pontos possíveis.

Fonte: Extra

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *