Brasil não assina compromisso global para reverter perda da biodiversidade

O acordo foi assinado por líderes de 77 países de todas as regiões e da União Europeia. Estados Unidos, Austrália, China, Rússia e Índia também se recusaram a participar da ação.

Em setembro, líderes de 77 países de todas as regiões e da União Europeia assinaram um compromisso voluntário para reverter a perda de biodiversidade no mundo até 2030. O governo do Brasil não assinou o documento.

Vegetação da Amazônia na área da Floresta Nacional do Tapajós, no Pará. — Foto: Marcelo Brandt/G1

Chamado de “Compromisso dos Líderes pela Natureza”, o documento tem por objetivo tomar medidas para conter o declínio catastrófico causado pelo homem. Entre as propostas, está o compromisso de acabar com os crimes ambientais.

A proposta contou com a adesão de países como Nova Zelândia, França, Alemanha. Entre os vizinhos do Brasil que assinaram o acordo, estão o Peru, Bolívia e Colômbia, que compartilham áreas da Floresta Amazônica.

Além do governo de Jair Bolsonaro, líderes dos Estados Unidos, Austrália, China, Rússia e Índia também se recusaram a assinar o documento. 

Unidos para reverter a perda da biodiversidade

O compromisso lista dez ações urgentes para os próximos dez anos. Entre os pontos estão:

  • acabar com os crimes ambientais;
  • investimento em uma recuperação econômica “verde” e sustentável pós-pandemia;
  • diminuir a poluição do ar, terra, solo, água doce;
  • eliminar o descarte de plástico nos oceanos

“Estamos em estado de emergência planetária: as crises interdependentes de perda de biodiversidade e degradação de ecossistemas e mudança climática – impulsionadas em grande parte pela produção e consumo insustentáveis – requerem ação global urgente e imediata. A ciência mostra claramente que a perda de biodiversidade, a degradação da terra e dos oceanos, poluição, esgotamento de recursos e mudanças climáticas estão se acelerando a uma taxa sem precedentes […] A menos que esse cenário seja interrompido e revertido com efeito imediato, ele causará danos significativos à resiliência e estabilidade econômica, social e política global”, diz a carta.

Fonte: G1

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *