Cientistas brasileiros criam repelente que “engana” mosquito da dengue

Produto baseia-se em tática evolutiva do próprio inseto para evitar que fêmea da espécie detecte suas vítimas

Pesquisadores do Departamento de Química da Universidade Federal do Paraná (UFPR) descobriram uma forma de combater o mosquito Aedes aegypti, vetor de doenças como dengue, zika e chikungunya. A pesquisa usou um mecanismo baseado na evolução do próprio inseto, que fez da fêmea uma perita em detectar sangue. O estudo conseguiu impedir que ela encontre “pistas químicas” que a guiem até seus hospedeiros.

Graças a receptores nas antenas e nos palpos (estruturas que funcionam como lábios no inseto), o mosquito capta substâncias produzidas por mamíferos, como o dióxido de carbono, da respiração, e o ácido lático, da queima de glicose, para atacá-los.

Na pesquisa, os especialistas desenvolveram uma molécula de ácido lático modificado que bloqueia temporariamente os receptores do inseto e o impede de seguir as pistas químicas. A substância ainda está em processo de patente. Por enquanto, a molécula mostrou-se mais eficiente em repelentes corporais. Testes laboratoriais verificaram que o repelente funciona por cerca de dez horas.

“O desenvolvimento da molécula significa a criação, em nível mundial, de uma nova estrutura química com efeito de repelência ao mosquito para uso massivo”, afirmou Francisco de Assis Marques, pesquisador do Laboratório de Ecologia Química e Síntese de Produtos Naturais (Lecosin) da UFPR e coordenador do estudo.

Agora, os cientistas trabalham para eliminar os solventes na segunda etapa da síntese da substância. Isso significa a possibilidade de oferecer ao mercado um repelente de alta eficiência, natural (uma vez que é feito de uma substância que o corpo humano produz), biodegradável, com insumos acessíveis, de custo baixo e obtido com reações químicas de baixo passivo ambiental.

Fonte: Metrópoles

Veja Mais

Deixe um comentário

Vídeos