Acusados de sequestrar mulher exibiram vídeos de tortura em redes sociais

Três pessoas foram presas e outras três foram mortas durante operação policial.

Alberto Lima/Acta/Cortesia

Delegados de AL e PE deram detalhes de operação em Maceió e Arapiraca

Uma dívida de cerca de R$ 15 mil foi a motivação para o sequestro e tortura de uma mulher resgatada na última segunda (11) em um cativeiro na cidade de Arapiraca, a 120 quilômetros da capital alagoana. A vítima foi encontrada bastante debilitada, com sinais evidentes de tortura e um corte profundo na perna direita.

De acordo com o delegado da Polícia Civil de Pernambuco, Alexandre Barros, a vítima foi levada no último domingo (10), da cidade de Ibimirim (PE), após o bando não conseguir sequestrar o seu companheiro, verdadeiro alvo do bando. A motivação, uma dívida de cerca de 15 mil reais em drogas.

LEIA MAIS

Operação que resultou na morte de três suspeitos está ligada a sequestro de mulher

Mulher mantida em cativeiro devia a traficante, diz polícia

Vídeo: três suspeitos são mortos durante tentativa de assalto à pousada em Maceió

PM resgata pernambucana sequestrada de cativeiro na zona rural de Arapiraca

Ainda de acordo com a polícia pernambucana, a vítima teria passado por vários cativeiros, onde foi brutalmente torturada. As sessões de tortura foram gravadas e publicadas em redes sociais, como forma de coagir o companheiro da vítima, identificado apenas como Edvan, vulgo Peba.

Durante as investigações, a polícia descobriu que o bando havia deixado a cidade em um veículo Gol de cor prata, que passou a ser rastreado, o que resultou na localização do cativeiro e prisão de três pessoas com idades de 25, 24 e 20 anos, entre eles, uma mulher.

Após o resgate da vítima, as polícias obtiveram a informação que outra parte do bando estava hospedada em uma pousada no bairro do Trapiche da Barra. No local, os agentes da Deic entraram em confronto com os suspeitos, matando três deles, identificados como Maria Daniela da Conceição de Oliveira, de 23 anos; Grisiane de Moraes Santos, de 31 anos e Sebastião de Abreu Farias, de 46 anos, que posteriormente descobriu-se usar identidade falsa, sendo seu nome verdadeiro Gilvan.

Os presos e mortos são naturais de Pernambuco e Alagoas.

Alberto Lima/Acta/Cortesia

Material apreendido com suspeitos

 

 

 

 

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *