Com hospitais superlotados, Rondônia vai transferir pacientes com Covid-19 para outros estados, diz governador

Ainda não foi anunciada data para o início das transferências. Há 40 pessoas esperando uma vaga de internação, segundo secretário de saúde. O sistema de Porto Velho já está em colapso.

Facebook/Reprodução

Governador Marcos Rocha diz que Rondônia não tem leitos e vai precisar transferir pacientes a outros estados

O governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha (Sem Partido), disse que vai transferir para outros estados os pacientes com Covid-19 que estão na fila de espera por um leito de UTI. A declaração foi feita durante uma live no Facebook na noite do sábado (23). Ainda não foi anunciada data para o início da transferência. Há 40 pessoas esperando uma vaga de internação, segundo secretário de saúde.

Conforme o governador, durante o sábado ele e equipe passaram o dia em tratativas com o Ministério da Saúde para garantir a mudança desses pacientes de Rondônia para outros hospitais federais do país.

“Nós mandamos o documento [para o Ministério da Saúde], todo trabalho está sendo desenvolvido para que isso aconteça [transferência] e para que nós possamos salvar vidas”, disse Marcos Rocha durante a live.

A partir disso, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) deve se encarregar dos trâmites necessários para o início do processo de transferência.

O governo informou que há poucos leitos de UTI disponíveis, e o estado não dispõe de médicos para que eles possam ser utilizados. Por isso, o governador diz que já pediu que o Ministério da Saúde envie profissionais ao estado.

UTI em Porto Velho durante pandemia da Covid-19, em 2021 — Foto: Rede Amazônica/ReproduçãoUTI em Porto Velho durante pandemia da Covid-19, em 2021 — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

De acordo com a Sesau, pelo menos 12 hospitais estão com 100% de taxa de ocupação de leitos de UTI. São eles: Hospital Municipal Sandoval de Araújo Dantas em Jaru, o Hospital Municipal de Ji-Paraná e o Hospital Cândido Rondon também em Jipa, o Hospital Regional de Cacoal (HRC), Hospital Urgência e Emergência Cacoal (Heuro), Hospital Regional em São Francisco do Guaporé.

Em Porto Velho estão lotados todos os hospitais campanha, a Assistência Médica Intensiva (AMI), o Hospital de Base, o Samar e o Cemetron. O prefeito da capital, Hildon Chaves, se pronunciou dizendo que o sistema de saúde do município está em colapso.

Em Vilhena, o Hospital Adamastor Teixeira de Oliveira está com 85% de taxa de ocupação e em Ariquemes, o Centro de Afecções Respiratórias (CAR) chegou aos 85,71% de ocupação.

UTI em Porto Velho durante pandemia da Covid-19, em 2021 — Foto: Rede Amazônica/ReproduçãoUTI em Porto Velho durante pandemia da Covid-19, em 2021 — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

Chegada de nova vacina

Durante a live o governador também comemorou a chegada das novas doses da vacina contra Covid-19 ao estado.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Ministério da Saúde liberaram a lista de doses que serão enviadas a cada estado da vacina de Oxford. Rondônia recebeu 13 mil doses neste domingo (24).

O primeiro carregamento com 2 milhões de doses da vacina feita com a farmacêutica AstraZeneca e produzidas no Instituto Serum, na Índia, chegou ao Rio de Janeiro na noite de sexta-feira (22), depois que o governo indiano autorizou as exportações comerciais do imunizante.

Fonte: G1 RO

Veja Mais

Deixe um comentário