Zilu Godói terá bens penhorados para pagar dívida de R$ 2,3 milhões

Ex-mulher de Zezé Di Camargo é sócia de empresa que não honrou pagamento de equipamentos

A Justiça de São Paulo decidiu, no fim de abril, que os bens de Zilu Godói, ex-mulher de Zezé Di Camargo, serão penhorados a fim de pagar dívidas no valor aproximado de R$2,3 milhões da Construmax Terraplanagem Ltda, empresa da qual ela é sócia ao lado de Danilo Augusto Barbosa Machado e Dorival Perez, com a Epel (Empresa Paulista de Empreendimentos Ltda). A informação foi confirmada à Quem nesta segunda-feira (3) por Marcelo Saraiva, advogado de Zilu.

Reprodução/Instagram

Zilu Godói é ex-mulher de Zezé Di Camargo

“Uma penhora será feita nos bens da Zilu das cotas da empresa Quarteto Participações, em que os sócios são o Zezé, o Luciano e ela. A Zilu não mora mais no Brasil e precisa ser citada e intimada sobre a penhora. O juiz americano que vai mandar intimá-la”, explicou Marcelo.

A empresa de Zilu e dos sócios não honrou com o pagamento de bens móveis adquiridos com a Epel em março de 2014 no valor de R$ 2.330,778,71. À dívida soma-se R$ 10 mil de multa. Entre os bens estão escavadeira, motoniveladora, trator de esteiras e trator de pneus. A Epel solicitou que a Justiça decidisse com urgência pela penhora alegando que empresa de Zilu estava praticando atos de dissolução. A informação sobre a penhora dos bens de Zilu foi dada em primeira mão pela jornalista Fábia Oliveira, do jornal O Dia.

Em fevereiro deste ano, Zilu, que foi casada com Zezé entre 1982 e 2014, disse no Instagram que não recebe pensão do cantor, que é pai de seus três filhos: WanessaCamilla e Igor, há anos. “Eita perguntinha que o pessoal faz e fala. Não recebo pensão do Zezé tem mais de dois anos. Hoje eu me viro com meus próprios recursos”, explicou a empresária, que mora em Orlando, na Flórida, EUA.

BRIGA NA JUSTIÇA

Em setembro de 2019, Zilu entrou com duas ações contra o ex-marido: uma pedia a exclusão da anulação da pensão dela e do seguro saúde e a outra pedia a anulação da partilha dos bens. “Eles se divorciaram em 2014 e, na ocasião, adiaram a partilha dos bens, o que é permitido por lei. O primeiro acordo de partilha por escrito foi em 2017. O Zezé passou para a Zilu, um pouco antes de assinar o acordo, que ele estava quebrado finaceiramente e não podia arcar com a pensão que ele havia estabelecido no divórcio, no valor de R$ 100 mil, mais um plano de saúde da Omint. Ele disse que não tinha mais condição de manter aquele valor de pensão e propôs pagar um plano mais simples, do Bradesco”, contou. “O Zezé ainda convenceu os filhos que estava quebrado e não tinha condições de arcar com aquele valor de pensão para a mãe deles e os três pressionaram a mãe, dizendo que era melhor que ela abrisse mão da pensão e aceitasse o seguro Bradesco”, acrescentou na época.

No acordo, também houve a divisão dos bens do ex-casal. “O Zezé disse que tinha interesse que o patrimônio fosse dividido e quis que a Zilu saísse da empresa de maior valor, que é a Camargo Produções, que eles eram sócios meio a meio. Os dois também eram donos de uma fazenda, de imóveis e dos direitos fonográficos, ou seja, grande parte do patrimônio deles estava dentro da Camargo Produções”, explicou.

Além disso, Zezé também estipulou, no acordo, que a empresa Construmax Terraplanagem, adquirida enquanto eles ainda eram casados, ficaria com Zilu. “Essa empresa era deles com o prefeito de Cajamar (SP) e ele deixou no nome dela e afirmou que se isentava de qualquer problema com a empresa. Como se a empresa fosse uma joia do casal. Na pressão, a Zilu  assinou e agora está sofrendo uma penhora trabalhista na casa onde mora por causa das dívidas dessa empresa que o Zezé passou para ela”, esclareceu.

Na ocasião, o advogado contou que a situação financeira de Zilu não era boa devido às dívidas que contraiu dessa empresa. “Cada dia aparece algo diferente na conta dela. Um bloqueio novo. Antes, isso não aparecia, porque as pessoas estavam processando a empresa e, agora, chegou no nome dela. Ainda estamos no início da penhora, mas, se ela não pagar as dívidas, a casa irá à leilão”, disse.

Desde que se divorciaram, em 2014, Zilu já assinou três acordos de divórcio. Na época, a empresária recebeu uma pensão de R$ 40 mil, que seria parte do patrimônio a ser dividido pelo ex-casal. Já em 2018, após passar mais de um ano recebendo o valor acordado, Zezé e Zilu voltaram a conversar sobre a segunda parte do processo. “Eles fizeram um acordo no ano passado, em que ela abriu mão da pensão que estava recebendo. A justificativa era que se a Zilu não assinasse, o Zezé iria quebrar. A Zilu recebeu R$ 3,6 milhões parcelados, além da empresa Construmax”, lembrou, em 2019.

Fonte: Quem

Veja Mais

Deixe um comentário