Bruno Covas é extubado após sangramento no estômago ser contido

Prefeito licenciado havia sido internado no domingo (2) após sentir efeitos adversos do tratamento contra o câncer e teve de ser transferido para a unidade de tratamento intensivo nesta segunda.

O prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), foi extubado no fim da tarde desta segunda-feira (3), após o sangramento no estômago ser estancado, mas continua internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Sírio-Libanês, no Centro da capital paulista.

Na manhã desta segunda, o prefeito havia sido transferido para a UTI e intubado depois que um exame de endoscopia encontrou um sangramento causado por uma úlcera em cima do tumor original, na cárdia, a passagem do esôfago para o estômago. Segundo o médico David Uip, que compõe o corpo clínico que cuida do prefeito, o sangramento foi controlado pelo endoscopista..

Por causa da transferência para a UTI, as sessões de quimioterapia e imunoterapia que o prefeito faria nesta segunda (3) foram suspensas e não devem acontecer nos próximos dias. A análise dos médicos é a de que esse tipo de sangramento não é desejável, mas faz parte de um quadro de tratamento pelo qual o prefeito passa atualmente.

Bruno Covas foi internado neste domingo para realizar exames de sangue, de imagens e endoscópico, com o objetivo de prosseguir o tratamento quimioterápico e imunoterápico. A endoscopia demonstrou sangramento no local do tumor inicial, que foi controlado com medidas de hemostasia local.

De acordo com um dos médicos da equipe que o atende, a intubação foi feita para proteger as vias aéreas do prefeito e evitar alguma laceração no momento da endoscopia.

Ele está sendo acompanhado pelas equipes médicas coordenadas por Prof. Dr. David Uip, Dr. Artur Katz, Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer e Prof. Dr. Roberto Kalil Filho, diz boletim médico assinado pelos diretores Fernando Ganem e Angelo Fernandez.

Internação
Por causa dos efeitos colaterais do tratamento contra o câncer, Bruno Covas anunciou um pedido de afastamento do cargo por 30 dias do cargo.

Em entrevista à rádio CBN na manhã desta segunda (3), o médico David Uip afirmou que ele teve náuseas e vômitos no fim de semana, e a equipe médica optou por adiantar a internação preventivamente.

“Aumentaram o número de tumores no fígado e em outros lugares. E apareceram em dois outros locais também: na bacia e na coluna. (…) Como é um tratamento muito poderoso, você sempre trata com a efetividade do tratamento versus o efeito colateral”, disse Uip.

“Nós estamos muito atentos e preferimos que ele viesse para o hospital ontem mesmo por conta disso. De um lado, para avaliar a efetividade do tratamento, de outro, para avaliar os efeitos colaterais desse tratamento”, completou.

Fonte: G1

Veja Mais

Deixe um comentário