Mulher confessa que matou companheiro com faca enquanto ele dormia; corpo foi achado 2 dias depois

Advogado da mulher foi à Delegacia de Apiaí, no interior de São Paulo, notificar a polícia sobre o crime e apontar localização do corpo. Orazil Silva, de 32 anos, foi morto com uma facada no pescoço.

Vítima foi encontrada morta com ferimento de faca, segundo informou a polícia — Foto: Reprodução/Facebook

Uma ambulante de 32 anos prestou depoimento à Polícia Civil nesta terça-feira (26) e confessou ter matado o companheiro com uma facada enquanto ele dormia, na casa dele, em Itaóca, no interior de São Paulo. O crime aconteceu no sábado (23), mas apenas na segunda-feira (25) o advogado de defesa dela notificou a polícia sobre o crime e apontou a localização do corpo do homem.

Orazil Silva, de 32 anos, foi encontrado morto com uma facada no pescoço. Ele estava sentado em um sofá na sala, e a faca utilizada no crime estava jogada no chão. Quem notificou o crime e apontou a localização do corpo foi o advogado de defesa da mulher, companheira da vítima.

Ela se apresentou para prestar depoimento na Delegacia de Apiaí, onde mora, nesta terça. Durante cerca de duas horas, a mulher deu detalhes sobre como executou o crime e a motivação que a teria levado a matá-lo.

Segundo apurado pelo g1, a mulher relatou às autoridades que vivia uma relação abusiva com Orazil, e que ele havia, inclusive, chegado a agredi-la fisicamente há algum tempo. Eles estavam tentando reatar o relacionamento, após uma recente separação.

A ambulante relatou que, no último sábado, o casal estava na residência de Orazil, quando ela encontrou uma troca de mensagens entre ele e outra mulher. Com ciúmes, ela começou uma discussão com ele, e Orazil teria trancado a porta da casa, para que ela não fosse embora. Ambos haviam ingerido bebidas alcóolicas, segundo ela.

Então, ainda conforme o depoimento, ela esperou Orazil dormir para atacá-lo. Ele estava dormindo sentado no sofá, quando a mulher o esfaqueou no pescoço com uma faca de cozinha. Ela diz que fugiu em seguida, para a casa dos pais em Apiaí.

Liberada após depoimento
A mulher não foi presa, sendo liberada após prestar o depoimento. Ao g1, o delegado responsável pelo caso, Valmir Barbosa, explicou que não é possível prendê-la em flagrante, devido ao crime ter acontecido há três dias, e que ainda não há nenhum mandado de prisão expedido contra ela.

A Polícia Civil informou que não foram encontrados registros de ocorrências da mulher contra a vítima. As investigações prosseguem, e testemunhas devem ser ouvidas nos próximos dias. O corpo de Orazil e a residência passaram por perícia, e os laudos devem ficar prontos em breve, segundo o delegado.

Fonte: G1

Veja Mais

Deixe um comentário