Variante ômicron pode ter adquirido pedaços de vírus do resfriado comum, aponta estudo

Pesquisa sugere que troca de material genético pode ter ocorrido em pacientes com as duas infecções, já que a ômicron tem partes que não haviam sido vistas em nenhuma das outras variantes de preocupação.

A variante ômicron pode ter adquirido pelo menos uma de suas mutações ao coletar um fragmento de material genético de outro vírus, que causa um resfriado comum, aponta uma pesquisa preliminar publicada nesta semana na plataforma OSF Preprints.

O estudo ainda não foi avaliado por outros cientistas nem publicado em revista. Os cientistas são de uma empresa sediada em Massachusetts que analisa informações biomédicas, a Nference.

No artigo, eles levantam a hipótese de que a “troca” de material genético ocorreu entre a ômicron e o vírus HCoV-229E, um coronavírus que causa o resfriado comum. Essa mudança pode ter ocorrido em células infectadas ao mesmo tempo com a ômicron e o outro vírus.

Essa coinfecção cria o cenário para a recombinação viral – um processo no qual dois vírus diferentes na mesma célula hospedeira interagem enquanto fazem cópias de si mesmos, gerando novas cópias que possuem algum material genético de ambos os “pais”.

Os cientistas trabalharam com a possibilidade da troca porque uma das mutações que a nova variante tem não havia sido vista em nenhuma das outras variantes de preocupação do Sars-CoV-2, que causa a Covid, mas aparece no vírus que causa o resfriado.

Essa sequência genética também aparece em um pedaço do próprio genoma humano, segundo os pesquisadores.

A similaridade “surpreendente” entre a ômicron e o vírus do resfriado comum pode ter deixado a variante “mais acostumada com hospedeiros humanos” e provavelmente evitado algumas respostas do sistema imunológico, disse Venky Soundararajan, um dos autores do estudo, segundo o jornal americano “The Washington Post”.

“É essencialmente tirar uma folha da página dos coronavírus sazonais, o que [explica] como ele vive e se transmite de forma mais eficiente com os seres humanos”, declarou.
A ciência ainda não sabe se a ômicron é capaz de causar quadros mais graves de Covid do que as outras variantes ou se é mais transmissível.

Apesar das incógnitas, a cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, disse na sexta (3) que o mundo está “mais bem-preparado” agora que existem vacinas disponíveis contra a Covid.

Fonte: G1

Veja Mais

Deixe um comentário