Tite convoca Brasil pela 1ª vez no ano da Copa; veja os ‘garantidos’ e quem briga por vaga no Mundial

MoWa Press

O anúncio da lista de convocados de Tite nesta quinta-feira (13), às 11h (de Brasília), marca o primeiro ato oficial da seleção brasileira no ano da Copa do Mundo, no Catar.

Já classificado antecipadamente ao Mundial, cuja abertura é daqui pouco mais de dez meses, o Brasil enfrenta Equador (27 de janeiro) e Paraguai (1º de fevereiro) pela sequência das eliminatórias da América do Sul.

Oportunidade para Tite e sua comissão técnica observarem o desempenho dos jogadores que serão chamados e sanarem as dúvidas que restam antes da tão aguardada convocação final para a Copa.

Mas verdade seja dita: nem todos os atletas estão na mesma categoria quando o assunto é briga por vaga no elenco que disputará o Mundial de 2022.

No comando da seleção há mais de cinco anos, Tite consolidou uma base que serve de esqueleto na maioria de suas listas, o que não deve ser diferente desta vez. E, assim, é possível apontar quem já esteja até com passaporte carimbado para a Copa – ainda que a fala oficial é de que ninguém está garantido.

Doze nomes aparecem em destaque: os goleiros Alisson (Liverpool) e Ederson (Manchester City), os laterais Danilo e Alex Sandro (Juventus), os zagueiros Thiago Silva (Chelsea), Marquinhos (PSG) e Éder Militão (Real Madrid), os volantes Casemiro (Real Madrid), Fred (Manchester United) e Fabinho (Liverpool), o meia Lucas Paquetá (Lyon) e, claro, Neymar (PSG), atacante e estrela da companhia.

Pela frequência nas convocações há tempos e o desempenho em seus respectivos clubes na atual temporada, os 12 só não irão ao Catar se algum imprevisto, como alguma lesão grave, acontecer. Em condições normais, já têm vaga assegurada no grupo.

E assim restam 11 vagas na equipe. Na verdade menos, se tirados aqueles que estão com “um pé e meio” no avião.

São os casos do goleiro Weverton (Palmeiras), que até foi testado como titular durante as eliminatórias, e dos atacantes Gabriel Jesus (City), um dos atletas de confiança de Tite desde sua estreia em 2016, e Vinicius Jr., em fase tão esplendorosa no Real Madrid que hoje parece impossível imaginar a seleção sem ele.

Pela lógica, portanto, são oito lugares abertos na seleção que tentará o sexto título mundial. As lacunas a serem preenchidas são as duas laterais, mais um zagueiro, dois meio-campistas e possivelmente três atacantes, sendo pelo menos um de lado de campo.

Quem briga por esses espaços na turma de Tite? O ESPN.com.br mostra abaixo os principais candidatos e tenta imaginar quem pode surpreender antes da lista final.

Lateral-direita

Talvez a posição mais carente da seleção há tempos, é também a que Tite mais tem dificuldade para encontrar dois jogadores que tomem conta do setor.

Daniel Alves, mesmo beirando os 40 anos, é uma aposta natural, desde que mantenha a forma física e técnica agora que voltou ao Barcelona. Sua liderança, que fez falta na Rússia em 2018, também joga a favor do veterano.

Quem corre por fora parece ser Emerson Royal. Agora no Tottenham, o jovem revelado pela Ponte Preta ganhou oportunidades com Tite nos últimos meses, e pode surpreender, desde que a aposta seja em um nome que ofereça renovação, já pensando no futuro da seleção.

Se há alguém mais na briga por vaga, é Vanderson. O ex-jogador do Grêmio, hoje no Monaco, já recebeu elogios públicos de Tite e pode surpreender em caso de boa temporada. Fagner, do Corinthians, e Gabriel Menino, do Palmeiras, já parecem bem atrás na disputa.

Zaga

Não seria um ponto de interrogação se Lucas Veríssimo, em grande fase desde o Santos e titular do Benfica nos tempos de Jorge Jesus, estivesse jogando regularmente. No entanto, uma lesão grave no joelho direito tirou o defensor dos campos por pelo menos o restante da temporada.

Caso se recupere bem e volte a mostrar o mesmo nível de antes, Veríssimo larga com folga para fazer companhia a Thiago Silva, Marquinhos e Militão, os demais zagueiros. Se não, a corrida pela vaga será intensa e envolverá muitos candidatos.

Do veterano Miranda, titular do São Paulo e na Copa de 2018, ao garoto Léo Ortiz, recentemente lembrado pela boa fase no Red Bull Bragantino, alguns já foram lembrados por Tite. Diego Carlos (Sevilla), Felipe (Atlético de Madrid) e Rodrigo Caio (Flamengo) são outros que podem surpreender.

Lateral-esquerda

Marcelo e Filipe Luís, os escolhidos para o Mundial da Rússia, já não vivem a mesma fase de antes, o que abriu espaço para Alex Sandro se firmar como dono da camisa 6. A dúvida agora é quem vai competir por espaço com o ex-lateral do Santos.

Pela lógica, dois nomes pulam à frente dos outros: Renan Lodi (Atlético de Madrid) e Guilherme Arana (Atlético-MG). O primeiro faz parte do grupo há tempos e terminou a Copa América de 2021 como titular, apesar das críticas pelas falhas defensivas.

O segundo ganhou moral após o excelente Campeonato Brasileiro, que lhe rendeu um chamado com Tite, além de vaga na seleção campeã olímpica. Da briga dos dois, provavelmente sairá o concorrente de Alex Sandro no Catar.

Volante

Uma vaga que já foi de Arthur, hoje em baixa na Juventus, e que hoje parece ter três postulantes: Gerson (Olympique de Marselha), Douglas Luiz (Aston Villa) e Bruno Guimarães (Lyon).

O mais antigo no grupo é Douglas Luiz, mas o fato de desempenhar função parecida com as de Casemiro e Fabinho pode ser um problema na disputa pela convocação. Bruno Guimarães também costuma jogar como primeiro homem, mas parece mais versátil que o jogador do Villa.

Gerson é o típico segundo homem de meio-campo. Convocado só depois que deixou o Flamengo, o brasileiro ainda não vive na Europa os grandes momentos que passou com a camisa rubro-negra, mas pode oferecer características diferentes a de seus concorrentes.

Aqui, nunca é demais lembrar que dois nomes adorados por Tite podem entrar na disputa desde que façam uma temporada boa: Paulinho e Renato Augusto, ambos do Corinthians e que fizeram parte do primeiro ciclo do técnico na seleção, entre 2016 e 2018.

Meia

Teoricamente a vaga para sombra de Paquetá, que se firmou como titular desde a campanha na última Copa América. A falta de opções pode oferecer uma surpresa, mas, se nada anormal acontecer, dois nomes estão mais fortes na briga.

Um deles é Everton Ribeiro, meia criativo do Flamengo que, com Tite, foi mais escalado aberto pela direita do que centralizado. Mas, devido à alta leva de atacantes de beirada, o ‘Miteiro’ pode ter que brigar por uma vaga mais centralizada no time.

Philippe Coutinho é o outro nome à vista. Agora que saiu do Barcelona, onde jamais repetiu o futebol dos tempos de Liverpool, o ex-titular tem a chance de convencer Tite de que pode, no Aston Villa, recuperar o protagonismo de outrora e voltar a ser útil à seleção.

Alguém mais pode surpreender? Talvez Claudinho, elogiado pela comissão técnica, mas “escondido” no Zenit. Ou mesmo Raphael Veiga, desde que consiga manter o nível de desempenho que mostrou no Palmeiras em 2021. No mais, difícil aparecer outro nome aqui.

Ataque

Se decidir levar mais três atacantes, já que costuma atuar com um trio à frente, Tite tem um leque variado para escolher quem fará companhia a, provavelmente, Neymar, Gabriel Jesus e Vinicius Jr.

Entre os jogadores de maior mobilidade, Raphinha (Leeds United) e Antony (Ajax) aproveitaram suas chances nas últimas convocações e têm mostrado futebol de primeira em seus clubes. Possuem características semelhantes, o que pode indicar que brigam pelo mesmo espaço, que um dia já foi de Everton Cebolinha (Benfica).

Mas há outras opções também, como Hulk, artilheiro e ídolo do Atlético-MG, ou até Richarlison, que, apesar de viver temporada irregular no Everton, já ganhou a confiança de Tite pelo que mostrou em outros tempos com a camisa amarela.

Na vaga de centroavante, são três os concorrentes: Gabigol (Flamengo), Roberto Firmino (Liverpool) e Matheus Cunha (Atlético de Madrid). O flamenguista parece estar em vantagem hoje, tanto que, depois de muito tempo na geladeira, garantiu até uma sequência como titular.

Firmino recentemente perdeu a posição no Liverpool, o que dificulta sua volta à seleção, enquanto Matheus Cunha é uma alternativa de camisa 9 móvel, jovem e que pode alterar a forma de jogar do Brasil em uma eventual substituição. Wesley Moraes, recém-contratado pelo Internacional, e Pedro, que deve ganhar mais chances no Flamengo, são possibilidades remotas.

Fonte: ESPN

Veja Mais

Deixe um comentário