Messi x Lewandowski: The Best pode ‘discordar’ da Bola de Ouro pela primeira vez desde 2004

Há décadas, a revista France Football, organizadora da Bola de Ouro, e a Fifa, que comanda o The Best, dividem o protagonismo no que tange a premiações de melhores jogadores do mundo. Em 2022, a primeira terminou com Lionel Messi eleito melhor jogador do ano passado. Mas a concorrência ferrenha com Robert Lewandowski pode fazer com que a premiação da entidade que comanda o futebol mundial , marcada para hoje, a partir das 15h, “discorde” da publicação francesa, num evento raro na história.

Desde as premiações relativas ao ano de 2004, quando a Bola de Ouro ficou com o ucraniano Andriy Shevchenko e o prêmio da Fifa — na época, chamado de Jogador do Ano — foi para Ronaldinho Gaúcho, os prêmios mantêm os mesmos ganhadores, embora seus critérios variem . Vale lembrar que entre 2010 e 2016 as premiações chegaram a se fundir, sob o nome “Fifa Ballon D’or”.

A Fifa começou sua premiação em 1991, enquanto a Bola de Ouro já era entregue desde os anos 50. Desde que passaram a coexistir, terminaram com vencedores diferentes em sete oportunidades. Além de Ronaldinho, outro brasileiro ficou sem a dobradinha: Romário perdeu a Bola de Ouro para Hristo Stoichkov em 1994.

— Cada vez mais a Europa é o centro do jogo, onde os melhores se provam. Ser dominante na Europa significa ter uma espécie de carimbo, de chancela de melhor do mundo. Mesmo a France Football premiando o ano do calendário e a Fifa, a temporada europeia, tudo o que acontece entre primavera e verão europeu termina sendo decisivo, seja a reta final da Champions ou desempenhos espectaculares em Copa do Mundo e Euro— aponta Carlos Eduardo Mansur, colunista do GLOBO.

Opiniões divididas
Em novembro, Pep Guardiola, técnico do Manchester City, defendeu a escolha na sétima Bola de Ouro de Messi:

— Nunca é injusto quando Messi ganha. Claro que se Lewy ganhasse, com as temporadas que teve nos dois últimos anos, os gols , sua qualidade, também seria justo.

Já Jurgen Klopp, do Liverpool,defendeu o polonês.

— É sempre possível premiar Messi por sua carreira e pelo jogador que é, mas não dar o prêmio a Lewa desta vez é complicado de entender.

Para Mansur, há argumentos fortes tanto por Messi quanto por Lewa. Mas o período de análise (outubro de 2020 a agosto de 2021), que engloba a histórica Copa América conquistada pelo argentino, pode fazer a diferença.

— Os números de Lewa em gols são soberbos, mas me parece um equívoco a impressão de que o voto em Messi é dado por inércia. À exceção dos gols, Messi supera Lewa em todo tipo de estatística, incluindo passes, construção de gols e até recuperações de bola e gols que valeram pontos para o time.

Votaram na premiação da Fifa capitães e técnicos de seleções, jornalistas e fãs. Entre as mulheres, Alexia Putellas, do Barcelona, vencedora da Bola de Ouro,é a favorita na disputa com a companheira de clube Jennifer Hermoso e Sam Kerr (Chelsea).

Fonte: Extra

Veja Mais

Deixe um comentário