Militares contam resgate dramático de vítimas de acidente na BR 316

Cabo Poliana/Cortesia

Cinco pessoas viveram momentos dramáticos, na manhã desta sexta-feira, 28, durante um acidente automobilístico, ocorrido na BR-316, na cidade de Satuba, região metropolitana de Maceió. As peças-chave do resgate foram dois policiais militares alagoanos, Cabo Poliana Crêspo (BPRv) e soldado Aldir (BPA), que foram os primeiros a chegarem ao local e junto com a população ajudaram a retirar as vítimas do carro. RELEMBRE AQUI

Era por volta das 6h40 quando a Cabo Poliana Crêspo, do Batalhão de Policiamento Rodoviário (BPRv), percebeu uma movimentação atípica nas imediações da ponte sobre o Rio Mundaú.Ao averiguar a situação, ela se deparou com o acidente, com cinco feridos.

“Iniciaria o meu plantão no BPRv às 7h30 e já estava a caminho do trabalho quando me deparei com uma aglomeração. Achei estranha a movimentação na ponte e quando olhei, vi um carro submerso e um colega de farda embaixo da ponte. Achei que ele tinha sofrido o acidente e fui ajudar. Quando cheguei ao local onde o carro estava, vi que eram mais vítimas e que meu colega, que também estava indo trabalhar, tentava socorrê-los. Eram um homem e quatro mulheres, que estavam voltando de Arapiraca. Elas trabalham na saúde e o homem, como motorista por aplicativo de Arapiraca para Maceió”, contou a policial ao Alagoas 24 Horas. 

Cabo Poliana/Cortesia

A policial militar relata ainda que foram momentos de tensão uma vez que três das cinco vítimas haviam desmaiado logo após o acidente. “Não foi fácil porque não era só uma vítima. Eram cinco pessoas e três mulheres estavam desacordadas. O motorista e a moça que estava no banco do passageiro ao lado dele, conseguimos retirá-los ainda acordados e foi mais rápido. Já as três mulheres do banco traseiro, o resgate foi mais complicado, mas graças a Deus deu certo. Entre as vítimas tinha uma mulher gestante, de cinco meses, que estava desacordada, sangrando muito pelo nariz, com um corte na perna e a boca inchada, possivelmente após bater o rosto. Eu e soldado Aldir, com a ajuda da população, conseguimos, com calma, porque o desespero é muito grande, fazer ela voltar os sentidos enquanto verificamos que as outras duas mulheres estavam respirando e tinham pulso. A gestante, nos causou mais impacto por conta do sangramento, mas graças a Deus ela está bem. Foi socorrida a um hospital particular e ficará em observação devido a gestação”, narrou a cabo.

Durante o acidente, a cabo Poliana afirmou que reviveu um acidente, que sofreu em 2013, em que também ficou submersa após cair em um rio em Murici.  “Eu sofri um acidente em 2013. Esava sozinha e foi  praticamente igual a este acidente. Cai em um vilarejo em Murici e fiquei submersa. Sair da água viva é uma sensação muito boa. Aí hoje, você entra no rio para salvar pessoas, que você não sabe se vão sair com vida, e ver que sobreviveram por conta da sua agilidade, sua coragem, é uma sensação maravilhosa. Não tem nem como descrever a sensação de tirar aquelas pessoas com vida”.

Após as vítimas serem deixadas aos cuidados dos socorristas do Samu e Corpo de Bombeiros, os envolvidos no resgate se emocionaram ao perceberem que os feridos tinham sido retirados do veículo com vida e estavam bem. “Quando a gente conseguiu tirar todos os feridos e vimos todos acordados, todo  mundo começou a chorar. O soldado Aldir, após subir a ponte, chorou bastante de alívio por socorrer aquelas pessoas com vida. É desesperador se ver em uma situação desta. Se fosse à noite, que é menos movimentado, provalvemente elas não teriam a mesma sorte. Eu costumo dizer que Deus coloca anjos sem asas na hora certa. Não é querendo me colocar para cima, mas eu e meu colega fomos fundamentais para que estas pessoas hoje estejam com vida. A gente é tão criticado como policial militar, que uma situação como essa faz com o que a gente esqueça de tudo”, finalizou.

Veja Mais

Deixe um comentário