Japão registra pico em diagnósticos de bactéria mortal

A bactéria Streptococcus pyogenes, também conhecida como Streptococcus do Grupo A (GAS). Créditos: Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA

Os casos de uma infecção bacteriana perigosa e altamente fatal atingiram níveis recordes no Japão, mostram os números oficiais, e os especialistas até agora não conseguiram identificar a razão do aumento.

Até 2 de junho, o Ministério da Saúde do Japão havia registrado 977 casos de síndrome do choque tóxico estreptocócico (STSS), que tem uma taxa de mortalidade de até 30%. Cerca de 77 pessoas morreram devido à infecção entre janeiro e março, os últimos números disponíveis.

O surto em curso no Japão já ultrapassou o recorde anterior do ano passado de 941 infecções preliminares – o mais alto desde o início das estatísticas em 1999. O Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão relatou 97 mortes devido ao STSS no ano passado, o segundo maior número de mortes nos últimos seis anos.

STSS é uma infecção bacteriana rara, mas grave, que pode se desenvolver quando as bactérias se espalham nos tecidos do corpo e na corrente sanguínea. Os pacientes inicialmente sofrem de febre, dores musculares e vômitos, mas os sintomas podem rapidamente se tornar fatais com pressão arterial baixa, inchaço e falência múltipla dos órgãos, quando o corpo entra em choque.

“Mesmo com tratamento, o STSS pode ser mortal. Em cada 10 pessoas com STSS, até três pessoas morrerão da infecção”, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

A maioria dos casos de STSS é causada pela bactéria streptococcus do grupo A (GAS), que produz principalmente febre e infecções de garganta em crianças. Em raras circunstâncias, o streptococcus A pode tornar-se invasivo quando a bactéria produz uma toxina que lhe permite ter acesso à corrente sanguínea, causando doenças graves, como o choque tóxico.

Strep A também pode causar fasciíte necrosante “devoradora de carne”, que pode levar à perda de membros.

No entanto, a maioria dos pacientes que contraem essa doença têm outros fatores de saúde que podem diminuir a capacidade do seu corpo para combater infecções, como o câncer ou diabetes, de acordo com o CDC.

As infecções invasivas por streptococcus do grupo A foram largamente controladas pelos controles da Covid-19, como o uso de máscaras e o distanciamento social, mas depois de essas medidas terem sido relaxadas, muitos países relataram um aumento no número de casos.

Em dezembro de 2022, cinco países europeus comunicaram à Organização Mundial de Saúde um aumento de streptococcus invasivos do grupo A (iGAS), sendo as crianças com menos de 10 anos as mais afetadas. O CDC disse que também estava investigando um aparente aumento da doença na época.

Em março, as autoridades japonesas alertaram para um aumento nos casos do STSS. O Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão divulgou uma avaliação de risco dizendo que o número de casos de STSS causados ​​por iGAS “aumentou desde julho de 2023, especialmente entre aqueles com menos de 50 anos de idade”.

O CDC afirma que os idosos com feridas abertas correm maior risco de contrair STSS, incluindo aqueles que foram submetidos a uma cirurgia recentemente.

“No entanto, os especialistas não sabem como a bactéria entrou no corpo de quase metade das pessoas que contraem STSS”, disse o CDC em seu site.

A razão para o aumento deste ano nos casos de STSS no Japão permanece obscura, de acordo com a emissora pública japonesa NHK.

O professor Ken Kikuchi, da Universidade Médica Feminina de Tóquio, disse à NHK que o aumento pode ser devido ao enfraquecimento do sistema imunológico das pessoas após a Covid.

“Podemos aumentar a imunidade se estivermos constantemente expostos a bactérias. Mas esse mecanismo esteve ausente durante a pandemia do coronavírus”, disse Kikuchi. “Portanto, mais pessoas estão agora suscetíveis à infecção, e essa pode ser uma das razões para o aumento acentuado de casos.”

Fonte: CNN Brasil

Veja Mais

Deixe um comentário

Vídeos