Dragão apronta no 100º jogo de Neymar e vira para cima do Santos

Globo.comAtlético-GO X sANTOS

Atlético-GO X sANTOS

De um lado, o Santos de Neymar, completando 100 jogos em Campeonatos Brasileiros com a camisa do Peixe. Do outro, o já rebaixado Atlético-GO, que, apesar de mandante, atuou longe de Goiânia e com a torcida praticamente toda contra. Cenário propício ao time praiano, certo? Não foi o que ocorreu. Jogando com muita determinação, o Dragão não se intimidou com o rival paulista e, de virada, superou o Alvinegro por 2 a 1, pela 35ª rodada do torneio, no estádio Bezerrão, no Distrito Federal.

O resultado não muda o cenário das duas equipes na competição. O Atlético-GO segue na última posição, agora com 26 pontos, com o único objetivo de, ao menos, encerrar o Brasileirão longe da lanterna. O Santos estaciona nos 46 pontos e ocupa temporariamente o nono lugar. "Temporariamente" porque ainda pode ser ultrapassado por Náutico ou Flamengo, que se enfrentam neste domingo e estão dois pontos atrás.
Cumprindo tabela no Campeonato Brasileiro, o Santos recebe o Figueirense, sábado, às 19h30, na Vila Belmiro. O Atlético-GO encara o Atlético-MG no domingo, às 17h, no estádio Independência, em Belo Horizonte.Dragão anula o Santos. Até os 45 minutos…

Nem parecia que o Santos era o time visitante. As arquibancadas do Bezerrão não lotaram como esperado pela diretoria do Atlético-GO, mas foram tomadas por santistas – com o jogo fora de Goiânia e o rebaixamento à Série B já decretado, poucos torcedores do Dragão decidiram se aventurar na viagem até Gama.

Sentindo-se em casa, o Santos se lançou à frente desde os primeiros minutos, buscando o ataque pelo meio, com as arrancadas de Arouca em direção a André e Neymar. O Atlético-GO, por sua vez, investia na forte marcação e nos contra-ataques, com os laterais Adriano e Eron e o volante Rayllan, nome que mais se aproximava do armador Ernandes.

Nos 20 minutos iniciais, a estratégia do Dragão levou vantagem, aproveitando brechas nas costas dos laterais Rafael Galhardo e Gerson Magrão para avançar, ainda que sem criar lances de perigo – no melhor deles, aos 16, Adriano recebeu pela esquerda, na entrada da área, cortou para dentro e bateu, mas mandou a bola à direita do gol de Rafael.

O Peixe, aos poucos, tentava assumir o comando do jogo por meio da marcação da saída de bola, na expectativa de induzir a zaga adversária ao erro. O problema é que não conseguia chegar à grande àrea. Apagado e bem marcado à frente, a saída de Neymar era aproximar-se dos meias e atuar como armador. Mesmo assim, nem André, nem Felipe Anderson – que "virou" segundo atacante com o recuo de Neymar – conseguiam passar a barreira feita por Gustavo e Diego Giaretta.

A etapa inicial, truncada, transcorria para um empate sem gols, até que, enfim, Neymar apareceu. Na esquerda, o atacante lançou a bola na área na cabeça de André. O camisa 9 desviou e Bruno Rodrigo antecipou-se a Márcio para inaugurar o marcador. Uma ducha de água fria na até então perfeita atuação da marcação rubro-negra.

Determinado, Dragão arranca a virada

O segundo tempo começou tal qual a etapa final se encerrou, com o Atlético-GO investindo nos avanços pelas laterais e na forte marcação pelo setor central, e o Santos tentando se movimentar na metade rubro-negra do gramado. O jogo, porém, estava mais aberto, com os dois times adotando maior velocidade na ligação entre defesa e ataque.

O Santos foi quem assustou primeiro. Sem espaço com a bola rolando, tentou a sorte por cima e quase chegou ao segundo com Neymar, que, aos sete minutos, após falta cobrada por Felipe Anderson para a área, escorou de cabeça ao lado do gol de Márcio. O Atlético-GO respondeu quatro minutos depois, após jogada individual de Diogo Campos. O camisa 11 fez o corte para dentro da área e bateu forte, obrigando Rafael a fazer sua primeira defesa difícil na partida.

Neymar reapareceu aos 15 minutos, agora da maneira como gosta, mesclando habilidade e velocidade. O atacante recebeu pela esquerda, partiu em direção à área, deixou dois marcadores (Gustavo e Dodó) para trás e arrematou forte, mas em cima de Márcio.

A partida ganhou um pouco mais em movimentação. Atrás do empate, o Atlético-GO lançou-se mais à frente, insistindo nas jogadas laterais, em especial pela esquerda, com a velocidade de Eron. Atrás, porém, o Dragão já deixava espaços, que o Santos tentava aproveitar em contra-ataques liderados por Neymar. Aos 24, por exemplo, o atacante avançou pelo meio e, na entrada da área, abriu para Felipe Anderson, mas o meia pegou mal e mandou por cima do gol.

O Santos parecia satisfeito com a magra vantagem e até dava a impressão de que estava com o jogo administrado. Só a impressão. Aos 36 minutos, Ernandes mostrou que o Dragão estava vivo no Bezerrão, ao acertar a trave de Rafael. E três minutos depois, veio o gol. Desta vez, o avanço foi pela direita: Marino passou e Diogo Campos marcou.

Mas tinha mais. No ataque seguinte do Dragão, pênalti em Diogo Campos. O goleiro Márcio foi para a cobrança e decretou a virada atleticana.

Fonte: Globo.com

Veja Mais

Deixe um comentário