Sítio Histórico de Água Branca será tombado pelo patrimônio estadual

As relíquias e belezas arquitetônicas do município sertanejo de Água Branca estão a um passo de conquistar a imortalidade. A perspectiva de tombamento do sítio histórico da cidade, pelo patrimônio cultural do Estado de Alagoas, foi confirmada pela coordenadora do Pró-Memória, Adriana Guimarães Duarte, que se prepara para enviar uma equipe à região, dando início ao inventário de bens a serem tombados.

Segundo a coordenadora do Pró-Memória, a equipe técnica deverá permanecer na região durante, pelo menos, seis meses, período estimado para identificação de áreas e bens de interesse para preservação.“Estamos viabilizando, junto à Prefeitura de Água Branca, a infra-estrutura necessária para a permanência da equipe na cidade”, explicou, completando que aguarda o aval do município para, em breve, iniciar o inventário.

Desde a oficialização da notícia do tombamento, há dois meses, moradores da região vivem na expectativa dos efeitos do processo, que atualmente se encontra em fase de justificativa, realizada por Frederico Pernambucano, da Fundação Joaquim Nabuco. Após o cumprimento de etapas, como estudos detalhados sobre o patrimônio cultural e natural do município, e definição do polígono a ser tombado, é que o processo se converterá na elaboração da lei estadual de tombamento.

Antes da homologação da lei pelo governador e conseqüente apreciação pela Assembléia Legislativa, o processo deverá ser submetido ao Conselho de Cultura, ao secretário de Cultura e à Procuradoria Geral do Estado, e será concluído a partir da publicação da lei no Diário Oficial do Estado e transcrição no Livro de Tombo.

“É importante destacar que o bem tombado continua a pertencer a seu proprietário, podendo ser alienado se este o desejar”, esclareceu Adriana Duarte, reforçando que, a partir da instalação do processo de tombamento do sítio histórico da cidade, não será possível realizar intervenções em edificações, praças e logradouros sem antes requerer autorização ao Pró-Memória, órgão técnico da Secretaria Executiva de Cultura do Estado (Secult).

“A idéia é envolver a comunidade no processo e fazê-la participativa”, diz Adriana Duarte, referindo-se à importância da conscientização de moradores e comerciantes locais, sobre as conseqüências do tombamento, que garantirá a captação de recursos por meio de programas de incentivo, influenciando no aumento do fluxo turístico, na geração de renda e melhoria da qualidade de vida da população.

Leia mais

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *