Artesanato e desenvolvimento sustentável

Edgar DantasA designer Mirna Porto

A designer Mirna Porto

Do alto das serras de Água Branca, o verde da palmeira do Ouricuri reluz como ouro. A planta, que inspira a fabricação dos mais variados objetos artesanais, movimenta a economia de muitas famílias em povoados como a Serra das Viúvas. O local, habitado por prováveis descendentes de quilombolas, é uma das áreas trabalhadas pelo Sebrae no programa Proarte, cujo objetivo é transformar o artesão em pequeno empresário.

O nome Serra das Viúvas não encontra explicação lógica entre seus moradores. Alguns contam que a região fora habitada, no passado, por uma família com muitas viúvas, daí a denominação Serra das Viúvas.

Embora os argumentos para justificar as origens do nome da serra e de seus habitantes sejam aparentemente infundados, a vocação natural das famílias que ali residem é incontestável. Quase todas, sobrevivem da extração da palmeira do Ouricuri.

O artesanato da palha do Ouricuri também é fabricado em outros povoados da região, como a serra vizinha, que recebe o mesmo nome da planta. Muito mais que uma questão de talento, a arte de trançar a palha transformando-a em objetos utilitários e peças de decoração, é um dom compartilhado por gerações inteiras.

Herança familiar

Dona Bela da Conceição é o exemplo desta herança passada de mãe para filha. Aos 66 anos, trança palha desde menina, quando ainda tinha oito anos de idade. “Aprendi com minha mãe”, conta a artesã, que desde pequena acompanhava a família nas feiras de Água Branca e Delmiro, para vender os chapéus confeccionados no clã familiar.

Hoje testemunha a neta, Diana, de 12 anos, seguindo o mesmo caminho. Entretanto, a neta de dona Bela , que também trabalha com a palha do Ouricuri desde os nove anos, pode freqüentar a escola e já está cursando a 4ª série do Ensino Fundamental.

As mãos hábeis no desfiar das folhas da palmeira revelam a intimidade com o ofício que garante o sustento da família. “Não é difícil trançar”, diz a menina sorrindo, enquanto assiste a telenovela na pequena sala da casa.

A construção simples e de poucos cômodos, durante muito tempo foi o único local onde as mulheres da família se reuniam para trançar a palha e confeccionar os objetos. Foi no casebre de dona Bela, onde praticamente nasceu a Associação das Artesãs da Serra das Viúvas. Com o apoio do programa Proarte do Sebrae, a associação ganhou sede própria, construída no quintal de casa, e um espaço adequado para estocagem dos objetos e realização de reuniões.

Associação das Viúvas

Integrada por 20 pessoas, a Associação das Artesãs da Serra das Viúvas reúne pelo menos 10 mulheres da família de dona Bela. São sobrinhas, netas e filhas, como a presidente, Marlene de Araújo, que atende pelo apelido de ‘Belinha’.

“Antes a nossa produção era basicamente de vassouras, o que consumia um dia e meio de trabalho. Nossas artesãs vendiam o que fabricavam nas feiras da cidade, mas depois que criamos a associação com o apoio do Sebrae, tudo mudou”, revela Belinha.

Com o ingresso do artesanato do município no Proarte, as famílias passaram a diversificar sua produção. Objetos de arte, cestas, tapetes, jogos coordenados, peças funcionais e fabricadas para atender a um padrão internacional de mercado, conquistaram novos espaços.

“Os produtos são vendidos em Maceió e em outras cidades brasileiras, alguns já foram exportados até para os Estados Unidos”, conta a presidente da associação. O casebre de dona Bela ganhou parabólica e a vida na Serra, apesar de simples, vai sendo tocada com mais otimismo por todos que trabalham com a palha do Ouricuri.

Manejo

Para garantir o manejo adequado da palmeira do Ouricuri, assegurando a preservação das plantas, a Secretaria Municipal de Agricultura da região trabalha um projeto de educação ambiental com as famílias da Serra das Viúvas.“Esta iniciativa é fundamental para a sobrevivência da atividade”, explica o secretário, Maurício Bezerra Brandão.

Segundo a arquiteta Mirna Porto, designer do Proarte em comunidades de Água Branca, o apoio da Prefeitura no fortalecimento da produção artesanal, tem sido decisivo para o sucesso de atividades associativistas como as desempenhadas pelas artesãs das Viúvas.

“É esta mentalidade empresarial que o Sebrae busca desenvolver nas comunidades”, diz a arquiteta. “Somente por este caminho podemos dar ao artesanato a dimensão econômica que ele possui, enquanto atividade geradora de renda”.

Leia mais

Povoados preservam outras tradições

Muito além da cultura da palha e do cipó, o artesanato produzido na serras e povoados do município de Água Branca traduz expressões e heranças transmitidas ao longo dos séculos, pelas primeiras comunidades que habitaram a região.

O barro e a pintura em cerâmica, peças modeladas em olarias improvisadas nos terreiros das próprias casas, são vocações tradicionais do município. Em uma dessas comunidades, localizada no povoado Serra do Sítio, um pequeno grupo de mulheres preserva a tradição de um bordado, que praticamente desapareceu do país. É a renda singeleza, artesanato aprendido com os colonizadores portugueses.

“No Brasil, existem somente dez núcleos produtores de singeleza”, estima a designer do Proarte, Mirna Porto. Para garantir a sobrevivência da tradição, a Prefeitura e o Sebrae esperam investir na criação de novos núcleos artesanais do bordado.

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *