Parlamentares divergem sobre depoimento de Paulo Okamotto na CPI dos Bingos

Enquanto os parlamentares da oposição ao governo classificam como "insatisfatório" o depoimento desta terça-feira do presidente do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) na CPI dos Bingos, os senadores da base de apoio ao governo defendem que as explicações de Paulo Okamotto foram "claras" e suficentes.

Okamotto foi à comissão explicar o pagamento ao PT, com recursos próprios, de R$ 29,4 mil relativos a despesas custeadas pelo partido com viagens do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao exterior, ainda no período pré-eleitoral. Disse que fez o pagamento em nome da amizade com Lula e por ter-se negado a ressarcir o PT pelo gasto, na época em que era procurador do presidente no processo de rescisão de contrato com o partido.

Na avaliação do senador Tião Vianna (PT-AC), integrante da CPI, "esse já é um episódio do passado". Ele acrescenta que "Okamotto prestou todos os esclarecimento, foi claro e convincente". O líder do governo no Senado, Aloízio Mercadante, também se diz satisfeito com o depoimento do presidente do Sebrae.

Mercadante levou à CPI um processo do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cobrando explicações do PFL sobre a utilização de R$ 91 mil do fundo partidário para o pagamento de despesas com viagens de seus filiados. "Não concordo com a cobrança que o PT fez ao presidente e a outros filiados, como eu, que viajaram a serviço do partido para o exterior. Mas esse pedido de explicações do TSE ao PFL mostra que não há consenso sobre a legalidade da utilização de dinheiro do fundo para viagens de representantes dos partidos", argumentou o líder do governo, que em agosto chegou a acusar a tesouraria do PT de "incompetência" porque, um ano depois de ter pago suas despesas de viagem à Europa, cobrou o ressarcimento dos gastos.

O líder do PFL no Senado, José Agripino (RN), rebateu a comparação feita por Mercadante entre os gastos do PT e do PFL com viagens a serviço realizadas pelos filiados. Para Agripino, a situação dos dois partidos é diferente. "No caso do PFL, o partido possui todos os recibos de pagamento das despesas dos filiados. Eu, inclusive, declaro no meu Imposto de Renda qualquer pagamento deste tipo. Se tivermos que ressarcir o partido por determinação do TSE, isso será feito", afirma Agripino.

Fonte: Agência Brasil

Veja Mais

Deixe um comentário