Trilha, Toada e Trupé revela riqueza cultural dos recantos do Brasil

De dezembro de 2004 a fevereiro de 2005, o grupo A Barca viajou mais de 10.000 km por 9 estados brasileiros, do Pará a São Paulo, realizando parte das ações do Projeto Turista Aprendiz. Com patrocínio da Petrobrás, cerca de 40 comunidades e cidades foram visitadas, desde quilombos e aldeias indígenas até periferias das grandes capitais. Como resultado, surgiu a coletânea Trilha, Toada e Trupé, trabalho que será apresentado em Maceió, nos dias 04 e 05 de fevereiro.

Em parceria com a Secretaria Executiva de Cultura (Secult), o grupo A Barca traz ao palco do Teatro de Arena a exibição do documentário sobre a viagem e apresenta, no Teatro Deodoro, o show Barca com Mestre Verdelinho e Seu Nelson da Rabeca, além de realizar uma oficina, no Centro de Belas Artes de Alagoas (Cenarte).

A coletânea Trilha, Toada e Trupé, uma caixa composta por três CDs e um DVD documentário, a ser lançada neste mês no nordeste e em março em São Paulo, realizou registros – muitos inéditos – de artistas populares de cerca de 30 comunidades espalhadas por nove estados brasileiros.

“A riqueza cultural das manifestações populares retrata a sabedoria de um povo humilde que, nas experiências de vida, transforma seu aprendizado em versos, sons e ritmos. Poder transportar esta riqueza para gravações em CDs em documentário não significa levar apenas a cultura tradicional ao conhecimento público, mas também manter as manifestações transmitidas oralmente de pai para filho”, destaca Eduardo bomfim, secretário executivo de Cultura.

O projeto gravou cocos, reisados, bois e ciranda, entre outras manifestações da tradição oral, e vai repassar para cada comunidade uma cota dos produtos assim como uma porcentagem das vendas para a preservação das festas. As comunidades vão poder se ouvir nos CDs Toada e Trupé que trazem as gravações feitas durante a viagem de dois meses, realizada pelo grupo de dezembro de 2004 a fevereiro de 2005. O CD Trilha é de gravações ao vivo da Barca selecionadas após a viagem e outras faixas produzidas em estúdio.
Além de se ouvir, os artistas poderão se ver no DVD Documentário Turista Aprendiz, também inserido na coletânea e que traz entrevistas com os mestres e imagens dos shows e de algumas festas nas comunidades visitadas pelo grupo. Informações sobre os grupos e as festas estarão registradas em um libreto bilíngüe (português/inglês) de 120 páginas inserido na coletânea, que traz também o Diário de alguns dos integrantes relatando o encontro com os artistas.

APRENDIZES DE MÁRIO

A cultura tradicional está presente nos trabalhos da Barca desde 1998, quando o grupo foi criado em torno de idéias do escritor e músico paulista Mário de Andrade, pioneiro em realizar registros dessa natureza. Em sete anos foram gravados os discos Turista Aprendiz (2000) e Baião de Princesas (2002) e estabelecidos fortes laços com algumas comunidades presentes na coletânea, como a Casa Fanti-Ashanti, de São Luís (MA), Irmandade do Rosário de Justinópolis (MG) e o Carimbó Os Quentes da Madrugada, de Santarém Novo (PA).

A movimentação provocada pelo projeto, iniciado em fins do ano passado com uma viagem de dois meses por 26 localidades, resultou em frutos para as comunidades mesmo antes de os produtos ficarem prontos: Estão sendo produzidos discos independentes de diversos grupos visitados pela Barca. Entre eles da União dos Artistas da Terra da Mãe de Deus – Reisado e Guerreiro (Juazeiro do Norte), Sítio de Pai Adão (Recife) e Carimbó Os Quentes da Madrugada (Santarém Novo). Ao contrário desses artistas – já com projetos de discos em andamento –, os discos Toada e Trupé foram o primeiro registro em CD dos índios Kariri Xocó, da Chegança de Coqueiro Seco, do Congo do Quilombo Frechal, entre outros.

OFICINA DE RABECA

Suíço da Basiléia, Thomas Rohrer é radicado no Brasil há cinco anos. Sempre viajando pelo mundo, reúne diversas influências que fazem dele um instrumentista singular. Chegou aqui tocando sax e violino, somando-se a eles a rabeca, com mestres como Seu Luís Paixão e Seu Nelson da Rabeca. Para demonstrar o resultado de tanta influência, Thomas Rohrer ministrará oficina no próximo dia 5, dentro da programação do grupo A Barca.

Na oficina serão tratados assuntos como história(s) e origens da rabeca no Brasil; rabecas e rabequeiros; regiões e sonoridades pelo país; parentes da rabeca em outros lugares do mundo; raízes medievais; dicas para pequenos ajustes para tocar com mais facilidade; encordoamentos possíveis. E claro, tocar juntos!

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *