Portador de ELA, médico alagoano é impedido de embarcar em voo internacional

11081233_945923895447270_4216723883138741652_nO cardiologista alagoano Hemerson Casado, que é portador de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), uma doença degenerativa, foi expulso de um voo da Alitália, com destino a Roma, nesta quinta-feira, dia 26, no Aeroporto Internacional de Guarulhos. A companhia alegou que não poderia embarcar o médico devido ao seu aparelho anti-ronco.

Casado embarcaria para Roma em busca de novo tratamento na companhia da mulher e de um cuidador, mas foi retirado do voo e alega ter sido destratado por representantes da Alitália e desassistido pelos funcionários da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a quem se reportou para denunciar a irregularidade.

Veja, na íntegra, o desabafo do médico em sua página pessoal no Facebook.

MÉDICO COM ELA É PROIBIDO DE VIAJAR E É EXPULSO DE AVIÃO 

O que é ser um cidadão Brasileiro?
Claro que sei o que é um conjunto de éticas, morais, culturais e legais. Isto vale para todo o indivíduo e para toda nação sem exceção, inclusive, para qualquer estrangeiro que queira morar ou trabalhar no Brasil. Mas onde estão escritas estas regras? Quem as define? Quem as cobre? Quem as aplica?

Inúmeras coisas nas relações humanas de várias naturezas são compreendidas e usadas de forma natural, porém, algumas que são novas, desconhecidas ou que fogem a regra e precisam ser amplamente exigidas e divulgadas, se não recorrermos ao velho truque das letras microscópicas das promoções de comerciais. 

Todos sabem que amo a Itália, tenho sangue Italiano na veia, casei com uma italiana e tenho uma família Italiana enorme. Todos sabem que sofro de uma doença sem cura, mas que vem permitindo que eu mantenha alguma estabilidade clínica que me permite realizar várias coisas como viajar, por exemplo. 

O Governo do Estado me presenteou com três passagens, permitindo que eu tivesse a chance de buscar um tratamento fora do país. Por garantia, sempre levo minha cadeira de rodas, meus remédios, cuidador, minha esposa e um aparelho anti-ronco, que é usado costumeiramente por milhões de pessoas. Nós já viajamos por grandes companhias que compreendem perfeitamente o uso desta máquina. Ninguém pergunta se você vai levar seu celular, ipod, ipad, barbeador elétrico, leptop, secador de cabelo, tudo que funciona em uma corrente baixa. Todas as companhias que possuem aeronaves modernas disponibilizam tomadas abaixo de seus bancos. Hoje fomos de forma arbitraria parcial e ignorante expulsos do vôo da Alitalia para Roma.

 

Em meio ao desespero de perder o vôo, que posteriormente segue para Israel, tentávamos em vão explicar aos supervisores de terra Adriana e Luige que, por sua vez, tentavam justificar o fato de que permitimos uma empresa falida, com as aeronaves ultrapassadas e com índice de demissão alto refletindo na insatisfação, que causa o mal atendimento. Não teve jeito, fomos expulsos. O que aconteceu posteriormente foi uma completa falta de socorro, não tinhamos a quem recorrer. Procuramos a ANAC, que se reservou a ouvir o supervisor da Alitalia, sem que nos desse a mínima chance de uma apelação, entretanto, de tudo que ocorreu de errado algo me causou um profundo desespero: O fato de que eles disseram que pacientes com ELA não viajam em sua aeronave. Nenhum dos dois supervisores teve a coragem de olhar no meu rosto e falar comigo. Uma atitude de completo desrespeito a vida humana, um total desconhecimento do que a ELA significa.

Não sabem que o nosso cérebro permanece lúcido. Fui tratado como se tratava os excepcionais no século passado, com desprezo e nojo. Parecia que aqueles italianos herdaram do seu aliado, o alemão Adolf Hitler, a vontade de exterminar os especiais. Perdi minha fé e minha razão. Gritei como louco e esperneei como animal que fora mal tratado. Jurei a eles que se eu não conseguisse o meu tratamento eu morreria, mas como justiceiro sanguinário o levaria comigo. Jamais na minha vida imaginei ser tratado daquela forma.

Vou lutar com todas as minhas forças para que a justiça seja feita e que esta empresa aprenda respeitar os pacientes especiais ou então para continuarmos a nos comportarmos como bons e honestos cidadãos precisaremos andar constantemente com o manual.

Veja Mais

4 Comentários

  • ANTHONY TORRES says:

    Esta empresa Alitália é a pior companhia que existe no mundo! desculpa o linguajar é uma merda! literalmente eles cheirão mal, são mau educados e despreparados. OBS. Fica a dica EXPERIÊNCIA PRÓPRIA.

  • Roberto Theodosio Brandão says:

    Que vergonha para as autoridades brasileiras. Todos lá fora vão pensar que no Brasil só tem ignorantes e com justa razão. A luta deste médico é conhecida por todos e ele agora além de querer a cura procura soluções para outras pessoas com a mesma síndrome (ELA). Estou com vergonha de dizer que sou brasileiro por este motivo. Terra de pessoas insensíveis e ignorantes.

  • Jefferson says:

    O que dizer diante de tamanha ignorância?! Não vejo a OAB bradar pelos direitos deste homem… não encontrei nenhuma declaração de apoio de nenhuma sociedade de direitos humanos … não li nenhuma linha de apoio vindo no Ministério das Relações Exteriores.
    A empresa, sem justificativa nenhuma, negou o direito de um cidadão. O humilhou. E ao impedir que embarcasse complicou muito o seu tratamento.

  • luis says:

    fiquei com nojo dessa cia aerea Italiana.

    Já viajei com ele para Milão algumas vezes, mas nunca mais.

    Luis Alvarenga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *