Blog

Pop Boy

Marcos Filipe é jornalista formado pela Universidade Federal de Alagoas e viciado em tudo o que envolve Mídias Sociais, Cinema, Televisão, Música, Literatura e Eventos. Um Geek de carteirinha, ligado em desenho animado e games. Desde 2010 escreve sobre esses assuntos se alimentando todos os dias da mais pura Cultura Pop.

Todas as postagens são de inteira responsabilidade do blogueiro.

Fiquei anestesiado após assistir Star Wars: Os Últimos Jedi

Para quem assistir Star Wars: Os Últimos Jedi  que estreia nesta quinta-feira (14) pode ficar com a sensação de que está vendo mais do mesmo. Contudo, quem é fã da franquia iniciado em 1977, percebe que Rian Johnson quebra a sequência lógica das demais trilogias.

20171116-star-wars

Segue-se a primícia dos anteriores: no primeiro longa a apresentação dos personagens, no segundo aprofundamento e conflito do protagonista e no terceiro o grande desfecho. Os Últimos Jedi segue esta lógica, mas de um jeito diferente, isto porque o conflito não é somente de Rey, mas de todos. Cada ato heroico, ou não, possui consequências que vão moldando dos caráter de cada, na velha disputa entre o bem e o mal que existe dentro de deles.

Carrie Fisher aparece lindamente, e esquecemos durante alguns momentos que ela faleceu logo após as filmagens. Sua personagem tem papel importante como estrategista na batalha contra a Primeira Ordem, digno de uma grande despedida.

Kylo Ren e Rey dançam sobre sombras e luzes, o que favorece a fotografia rubro-negra. Ambos procuram entender sua origem e o seu papel em tudo o que está acontecendo, recordando a jornada de Anakin Skywalker no prólogo da saga, com reviravoltas surpreendentes. Assim como muitas questões ficarão para o terceiro filme, como por exemplo a origem da Primeira Ordem.

Que linda é a batalha em Crait, um planeta que tem um solo feito de um mineral vermelho coberto por sal. As naves voam, levantam uma névoa escarlate, enchendo a tela e os nossos olhos. Reforçando o selo Star Wars de proporcionar grandes efeitos especiais ao público.

Também temos os alívios cômicos, e novos personagens criados comercialmente, mas que não influem na trama.

Para quem esperava um grandioso filme, não irá se decepcionar, pois Os Últimos Jedi é um banquete para quem acompanha a franquia mais longa do cinema que comemorou 40 anos em 2017.

Veja Mais

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *