Justiça


Mirella é absolvida de assassinato e condenada por ocultação de cadáver

MP se pronunciou e confirmou que irá recorrer

Alagoas24HorasJulgamento de Mirella Granconato

Julgamento de Mirella Granconato

O corpo de jurados absolveu na noite da quarta-feira (11) Mirella Granconato Ricciardi pelo assassinato da universitária Giovanna Tenório. O júri reconheceu a autoria do crime e mesmo assim absolveram a ré, condenando-a somente pelo crime de ocultação de cadáver. A pena, de um ano e oito meses, deve ser cumprida em regime inicialmente fechado pelo crime de ocultação. Como é primária, a pena foi convertida em prestação de serviços à comunidade e uma indenização de R$ 20 mil à família da vítima.

Ao ler a sentença, o magistrado John Silas, que presidia o julgamento, pareceu surpreso com a decisão controversa do júri, chamando de ‘incoerência’ a decisão durante a leitura da sentença. Silas lembrou que compete ao Ministério Público se pronunciar informando se irá ou não recorrer da decisão. O juiz disse ainda que se o Tribunal entender que o júri deve ser anulado, Mirella pode voltar ao banco dos réus.

Assista trecho da fala do magistrado

O MP se pronunciou logo depois do resultado do julgamento informando que irá recorrer da decisão. “Não existe clemência por uma simples clemência. É preciso embasamento, um lastro qualquer nos autos. Eu diria que foi uma clemência graciosa e mais ainda, um tapa na cara da sociedade”, declarou o promotor de Justiça, Antônio Villas Boas.

Durante o julgamento Mirella chegou a confessar em depoimento que fez ameaças à vítima via ligações e mensagens de texto, mas negou a autoria do crime.

A defesa se pronunciou dizendo que o júri soube diferenciar o que seriam prova dos autos. Parabenizou o trabalho do Ministério Público chamando-o de ‘devastador’, mas defendeu não haver provas contundentes ou elementos concretos sobre a ré.

Ainda ontem, antes do resultado da sentença, a promotoria havia se pronunciado dizendo não haver dúvidas da culpa de Mirella.

Advogada e amiga da família, Rita comenta a decisão do Júri ao lado da mãe de Giovanna, Catarina Tenório.
Assista vídeo:

Relembre o caso
Giovanna foi sequestrada na porta de uma universidade situada no bairro do Farol, no ano de 2011 e seu corpo foi encontrado dias depois em um canavial entre as cidades de Rio Largo e Messias. Há hipótese de que a vítima mantinha um relacionamento amoroso com o marido de Mirella – Antônio de Pádua Bandeira, que não responde pelo crime – e esta teria sido a motivação do assassinato.


1 Comentário

  • É inacreditável ver a mandante desse crime bárbaro que chocou a sociedade ser absorvida! Os jurados julgaram dizendo que o crime ainda compensa! Só vai prestar serviços a sociedade e somente pagar uma indenização a família da vítima no valor de R$ 20.000,00. Isso nos mostra quanto vale a vida de uma pessoa aqui em Maceió.
    Um absurdo!! Ela deveria pegar no mínimo 20 anos de cadeia em regime fechado.

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>