Polícia afirma que adolescente apreendido é mentor intelectual de massacre em Suzano: ‘É uma pessoa fria’, diz delegado

Segundo delegado, menor teria planejado o crime com o assassino de 17 anos. Ele foi levado ao Fórum nesta segunda-feira (19) e encaminhado para a Fundação Casa.

Reprodução / TV Globo

Terceiro menor envolvido em ataque à escola em Suzano (SP)

O delegado Alexandre Dias, que investiga o massacre na Escola Estadual Professor Raul Brasil ocorrido na última quarta-feira (13), em Suzano, disse que o adolescente apreendido nesta terça-feira (19) foi mentor intelectual do crime que deixou ao todo dez mortos, incluindo os dois assassinos.

“Ele é mentor intelectual, comprou objetos, objetos que poderiam fazer ele participar daquele delito, participação dele com um dos autores na compra de outros objetos e na idealização de outros objetos.”

Segundo o delegado, “foram apresentadas provas de conteúdo cibernético que indicava a participação desse menor na criação do delito. Há provas testemunhais. As investigações apontam que ele é mentor intelectual junto com outro assassino menor de idade.”

Os detalhes sobre as novas provas que a polícia obteve sobre a possível participação do adolescente de 17 anos do massacre não podem ser revelados por estarem sob sigilo, disse o delegado em coletiva à imprensa na Delegacia Seccional de Mogi das Cruzes.

Ainda sobre o adolescente, o delegado afirmou que “o perfil psicológico dele está sendo feito por exames periciais.”

Alexandre disse ainda que busca identificar quem vendeu a arma. “Há uma linha de investigação nesse sentido, quem vendeu a arma e ajudou eles a terem acesso a arma.”

Apreensão do adolescente

O jovem foi apreendido em casa e levado ao Instituto Médico Legal (IML) da cidade, onde foi submetido a exame de corpo de delito. De lá, seguiu para o fórum.

O adolescente foi acompanhado dos pais e do advogado Marcelo Feller do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD).

Segundo o Tribunal de Justiça (TJ), na audiência foi mantida sua internação provisória, por 45 dias, na Fundação Casa. A unidade em que ele ficará internado não foi divulgada. Ele deixou o fórum em um carro da Polícia Civil por volta das 12h50.

A Fundação Casa esclarece que a vaga de internação provisória para o adolescente envolvido no caso de Suzano, solicitada pela juíza da cidade, foi liberada imediatamente pela Instituição por volta das 11h40 da manhã desta terça-feira (19).

Se terminado o prazo e não houver sentença judicial de internação definitiva, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) determina a sua liberação. Em caso de sentença de internação definitiva, o prazo máximo é de 3 anos.

Feller afirmou que o adolescente negou ter ajudado a planejar o massacre na escola de Suzano.

“Ele me pareceu um garoto extremamente sincero. Ele foi muito amigo do atirador, depois tiveram um período brigados e voltaram a se falar há poucos meses”, disse Feller. “Para mim, ele negou qualquer participação nesse ato. O que me parece bastante crível pela mensagem que ele manda para o próprio atirador informando o que está acontecendo”.

Apesar disso, o advogado afirmou que essa declaração foi dada a ele e não à Justiça, pois pediu que o adolescente e seus pais ficassem em silêncio e não respondessem às perguntas na audiência de apresentação no fórum.

O motivo, segundo Feller, é que ele ainda não teve acesso aos autos do processo. O delegado assistente da Seccional de Mogi das Cruzes, Jaime Pimentel, no entanto, disse que disponibilizou sim os autos ao advogado. “Pelos menos isso foi oferecido a ele na delegacia.”

Feller foi indicado pelo IDDD depois de a Defensoria Pública informar que não poderia defender o adolescente, visto que já está defendendo os interesses das vítimas.

“O que ocorreu hoje aqui foi um teatro processual”, criticou Feller sobre a audiência de apresentação do caso realizada no fórum de Suzano.

O advogado falou que não teve tempo para ter acesso às provas do inquérito e, por isso, foi contra a internação do adolescente. Ele sugeriu que o adolescente ficasse detido em casa com tornozeleira eletrônica, mas a juíza não aceitou.

A audiência de instrução deve ocorrer no dia 26 de março quando as testemunhas serão ouvidas.

Novas evidências

Na quinta-feira (14), o adolescente chegou a se apresentar à Justiça, mas negou a participação e foi liberado. Durante a investigação, porém, foram analisados os celulares dele e dos dois assassinos e, de acordo com a polícia, os três aparelhos têm conversas claras sobre o planejamento das mortes.

Nesta segunda-feira (18), a polícia apresentou ao Ministério Público um relatório com os resultados das buscas feitas na casa do menor. Além disso, a Polícia Civil apresentou à Justiça um documento com 13 tópicos que reforçam a participação do adolescente no planejamento do crime.

A audiência de instrução deve ocorrer no dia 26 de março quando as testemunhas serão ouvidas.

Fonte: G1 SP

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notificações no seu whatsappReceba nossas notificações