As cinco mais estranhas e desconhecidas histórias dos Jogos Pan-americanos

Em suas quase sete décadas de existência, os Jogos Pan-Americanos tiveram momentos muito curiosos que muitas vezes são esquecidos quando fazem retrospectivas sobre o mais importante evento multiesportivo do continente.

 

Em geral, as façanhas dos atletas e os triunfos das equipes são mencionados, mas em muitas ocasiões deixam de lado as pequenas histórias que nos permitem ter uma ideia mais abrangente da história dos Jogos Pan-americanos.

 

Interrompidos antes de começar

Os Jogos da América Central e do Caribe surgiram em 1926. No entanto, após essa data, um quarto de século se passou antes que todos os países do continente pudessem competir em um evento multiesportivo. Em 1940, os delegados de 16 nações que participaram do Congresso Pan-Americano de Esportes aprovaram a primeira edição dos Jogos, em 1942, em Buenos Aires; mas a Segunda Guerra Mundial ocorreu. O universo dos esportes foi congelado – em todas as suas formas – por uma década inteira.

 

Durante a celebração dos Jogos Olímpicos de Londres de 1948, a segunda versão do Congresso Pan-Americano de Esportes foi realizada. Neste conclave, a capital argentina foi ratificada como sede dos Jogos de 1951. A ideia na época – que prevaleceu até agora – era a de que os Jogos Pan-americanos ocorressem a cada quatro anos.

 

Mas os problemas com a organização dos jogos não terminaram aí. Em dezembro de 1973, o Comitê Executivo da Organização Pan-Americana do Esporte (PASO-ODEPA) validou a proposta de São Paulo para sediar os Jogos mais uma vez, como já fizeram em 1963. No entanto, no final de 1974 uma epidemia de meningite atingiu a cidade brasileira e outra decepção aconteceu.

 

Os problemas com os locais voltaram nos Jogos de 1987. O Chile foi escolhido, mas o governo do ditador Pinochet se recusou a oferecer apoio financeiro. O Equador também não conseguiu cobrir os custos do evento e, naquele momento, a candidatura de Havana ganhou força. No entanto, Indianápolis, nos Estados Unidos foi a cidade escolhida e Cuba sentiu que havia sido prejudicada, por isso protestou. A presença da delegação cubana nos jogos de 1987 era incerta, mas, após desculpas pelo modo como o processo foi conduzido os Jogos Pan-Americanos de 1991 foram em Havana.

 

Depois disso, os Jogos nunca mais correram risco novamente… e o Chile finalmente sediará os Jogos Pan-americanos pela primeira vez em 2023.

 

Escolhendo os mascotes

As mascotes são um símbolo inseparável das principais competições esportivas. Nos Jogos Pan-americanos, eles têm sido usados ​​desde de San Juan em 1979 e, na lista de 14 animais selecionados, você encontrará, entre outros, um sapo, passaros, um porco-espinho e até um leão-marinho. Os organizadores sempre tentam, com mais ou menos sucesso, conceber seu mascote como uma combinação das características do país e de elementos de design inovadores.

 

Os nomes dessas mascotes foram muito peculiares, desde Coqui, o sapo de San Juan, até Pachi, o porco-espinho de Toronto. Para a edição de 2019, os peruanos lançaram um concurso público na Internet, e do voto de quase 45 mil pessoas o escolhido foi Milco, baseado em um cuchimilco, que é uma figura pertencente às culturas que floresceram em região Centro-Oeste do país.

 

Jogos derretidos

Os Jogos Pan-americanos também tiveram uma versão de inverno. Ocorreu em 1990 no centro de esqui e snowboard Las Peñas, na província argentina de Mendoza, foi o responsável por sediar esse evento, no qual apenas 97 atletas de oito países participaram de quatro modalidades: descida, slalom, Super G e slalom gigante.

 

Essa experiência não foi considerada bem sucedida e sua segunda edição, prevista para Santiago em 1993, foi cancelada. Desde então, ninguém se atreveu a retomar os planos para novos jogos de inverno, nem mesmo em um contexto em que os esportes de inverno ganharam aceitação no continente.

 

Uma partida para a eternidade

O futebol masculino esteve presente nas 17 edições dos Jogos Pan-Americanos, enquanto a modalidade feminina estreou em Winnipeg em 1999. De todos os jogos realizados ao longo dessas quase sete décadas, o mais estranho de todos certamente aconteceu durante a final de 1975. No dia 25 de outubro, no estádio Asteca, o Brasil e o México jogaram na frente de quase 100 mil torcedores.

 

Os locais, que tinham um jovem Hugo Sánchez em seu time, assumiram a liderança com um gol de Hector Tapia, mas nos minutos finais, Cláudio Adão empatou o jogo. Durante a prorrogação aconteceu algo insólito: as luzes do estádio começaram a apagar. Quando isso aconteceu, vários fãs invadiram o gramado e o árbitro decidiu encerrar a partida. Não foi possível reprogramar o jogo, então mexicanos e brasileiros dividiram a medalha de ouro.

 

O homem mais odiado da cidade

Outro momento polêmico nos Jogos Pan-americanos ocorreu na final dos 800m da competição de atletismo nos Jogos de Caracas, em 1983. Os torcedores venezuelanos esperavam que seu corredor, William Wuyke, cumprisse as previsões e ganhasse a medalha de ouro, mas o ídolo local se aproximou demais do brasileiro Alberto Guimarães, eles colidiram e caíram no chão, então ele ficou deixado de fora do pódio. Wuyke imediatamente recorreu dos resultados e, a princípio, o júri decidiu desqualificar Guimarães e ordenou a repetição da corrida.

 

Depois vieram os protestos do lado brasileiro exigindo um novo veredicto, de outro júri.

 

O clima ficou estranho e desconfortável porque os membros da comissão concluíram que o encontro não foi intencional, então Guimarães manteve o título, mas também ganhou o título de homem mais odiado dos Jogos, tanto que durante o resto de sua estada em Caracas, ele teve que ser protegido, a todo momento, por três soldados armados.

 

 

 

Fonte: Sherlock Communications

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notificações no seu whatsappReceba nossas notificações