Brasil recebe críticas por desmatamento porque é ‘potência no agronegócio’, diz Bolsonaro

Presidente brasileiro participou de videoconferência com presidentes de países amazônicos para discutir preservação da floresta. Para ele, países da região são criticados de forma injusta.

Presidente Jair Bolsonaro — Foto: Reuters/Adriano Machado

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (11) que o Brasil recebe críticas de outros países por desmatamento na Amazônia porque é “potência no agronegócio”. Segundo Bolsonaro, o Brasil é ameaçado o tempo inteiro e “alguns poucos brasileiros” trabalham contra o governo nesse tema.

Ele deu essa declaração durante uma videoconferência com presidentes de países cujos territórios são cobertos pela floresta amazônica. Organizado por Colômbia e Peru, o encontro virtual foi realizado quase um ano após a assinatura pelos países da região do Pacto de Leticia, que estabeleceu medidas para preservar a Amazônia.

Além de Bolsonaro, participaram da videoconferência os presidentes Iván Duque (Colômbia), Martín Vizcarra (Peru), Jeanine Áñez (Bolívia) e Lenín Moreno (Equador). Os embaixadores da Guiana e Suriname no Brasil também participaram.

“Os senhores podem ver: em julho deste ano, levando-se em conta julho do ano passado, nós registramos uma diminuição de 28% no desmatamento ou queimadas na região, mas, mesmo assim, somos criticados. Afinal de contas, o Brasil é uma potência no agronegócio, ameaças existem sobre nós o tempo todo e, lamentavelmente, alguns poucos brasileiros trabalham contra nós nesta questão”, disse Bolsonaro.

Junto com os dados de julho citados pelo presidente, o Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia, divulgou na última sexta-feira (7) os números de desmatamento para o período de um ano. As áreas com alerta de desmatamento na Amazônia aumentaram 34,5% no período.

No último dia 2, dados do Inpe apontaram que os incêndios na Amazônia em julho aumentaram 28% em relação a julho de 2019, ano considerado pela agência espacial norte-americana Nasa como o mais devastador em relação a queimadas na região.

De agosto de 2019 até o dia 31 de julho deste ano, houve alerta de desmatamento de 9.205 km² de área da floresta, uma área mais que seis vezes o tamanho da cidade de São Paulo. Entre agosto de 2018 e julho de 2019, esse número tinha ficado em 6.844 km².

De acordo com o presidente, a maior parte da floresta amazônica permanece intacta. Segundo ele, isso é prova de que os países da região são “perfeitamente capazes de cuidar desse patrimônio”.

“Essa história de que a Amazônia arde em fogo é uma mentira. E nós devemos combater isso com números verdadeiros. É o que estamos fazendo aqui no Brasil”, disse Bolsonaro.

Resistência

O presidente disse ainda que os países amazônicos são muito criticados de forma injusta por outras nações e que devem resistir.

“Aos poucos estamos mostrando ao mundo a realidade da Amazônia, e essa realidade é bem diferente daquela que a imprensa, e até alguns governos estrangeiros, apresentam”, declarou o presidente.

A reunião entre os presidentes não foi transmitida ao vivo pelo governo brasileiro. A transmissão em tempo real ocorreu nas plataformas do governo colombiano. Após o final da videoconferência, a Secretária Especial de Comunicação (Secom) divulgou o vídeo da fala do presidente Jair Bolsonaro no evento.

Fonte: G1

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *