Transtornos alimentares e suas consequências psicológicas

Pesquisas apresentam a elevação de casos de transtornos alimentares, principalmente entre os jovens. Os transtornos alimentares são desordens complexas, causadas e mantidas por diversos fatores sociais, psicológicos e biológicos.

Eles figuram entre as patologias psiquiátricas e, nos últimos tempos, vêm apresentando maior crescimento em termos de incidência em toda população, trazendo prejuízos físicos, psíquicos, afetivos e sociais.

Com a grande evolução tecnológica e o aumento no consumo das redes sociais, estamos observando uma valorização exacerbada dos padrões estéticos, resultando em muita pressão para se alcançar o corpo ideal. O que nos sinaliza que esses transtornos estão bastantes comuns.

Essa alteração dos hábitos e dos comportamentos alimentares prejudica a saúde mental e física do indivíduo. A grande questão é que não se trata apenas de sofrimento do corpo, todo o psiquismo adoece quando um transtorno alimentar é identificado.

Vários são os transtornos alimentares, mas alguns são mais incidentes que outros, como por exemplo: a Anorexia, uma restrição alimentar severa, que leva a desnutrição e a perda importante do peso. Caracteriza-se pelo medo intenso de se engordar e, através da distorção da imagem corporal, o indivíduo não consegue, de forma alguma, se perceber emagrecida.

Também temos a Bulimia, quando ocorre a ingestão de grande quantidade de alimento com uma certa frequência, compulsivamente. E ao perder o controle e conscientizar-se deste fato, a pessoa tenta compensar o excesso ingerido através de vômitos auto induzidos, laxantes/diuréticos, jejum ou exercícios em excesso.

Falando em compulsão, não podemos esquecer da Compulsão Alimentar. Um tipo de transtorno bem semelhante à Bulimia, porém sem a compensação em vômitos. Definida por episódios compulsivos que trazem desconforto físico pela quantidade ingerida, associado a um sentimento de culpa e vergonha.

Ainda podemos encontrar mais dois transtornos alimentares frequentes: a Ortorexia e a Vigorexia. O primeiro é a obsessão por alimentos saudáveis, causando prejuízos na interação social e uma restrição alimentar importante. Já o segundo é um tipo de delírio emocional obsessivo pelo ganho de músculos a todo custo. Acompanhado por uma alimentação restrita, muito específica, com intuito de auxiliar no aumento da massa muscular de maneira descontrolada.

Porém, apesar de saber que as compulsões estão muito relacionadas à ansiedade e à depressão, é importante destacar que para haver o transtorno alimentar, os episódios devem ser recorrentes e não apenas uma eventualidade.

Além disso, um mesmo paciente pode apresentar vários transtornos, uma vez que eles estão interligados. Algumas pontuações são claras e bastante evidenciadas, como é o caso da obesidade, na qual percebe-se que a comida ocupa o lugar da falta, servindo para preencher um vazio, amenizar vácuos inconscientes que nada tem a ver com a comida.

Uma necessidade de saciar uma fome desperta por outros gatilhos. Transferindo para a comida todas as emoções não gerenciadas. Outro fator importante, diz respeito às dietas milagrosas que prometem felicidade e sucesso imediato, levando o ser humano a verdadeiras atrocidades com o corpo e o emocional.

E dentro deste cenário, entende-se que, tanto a anorexia quanto a bulimia, são guerras declaradas à gordura corporal.

Portanto, os transtornos alimentares são uma condição grave de comportamentos persistentes que afetam de forma negativa a saúde do indivíduo, gerando emoções desconfortáveis, dificultando o convívio e o desenvolvimento das habilidades sociais.

O mais importante é identificar como está configurada a relação com a alimentação e tomar consciência do tipo de transtorno alimentar que possa estar se manifestando. Afinal, você não é o seu transtorno. Essa clareza emocional auxilia e muito o indivíduo na busca pelo sucesso do tratamento.

Além disso, o ponto de partida está em verificar se essa conexão com os alimentos traz alguma dor ou prejuízo. Se a constatação for afirmativa, é bem possível que exista, um ou mais, distúrbios instalados impedindo o equilíbrio físico e mental.

  •  Psicanalista

Veja Mais

A vez agora é dos gatos

A cachorrada ainda toma conta dos lares brasileiros! Hoje os cães de estimação compõem uma população de aproximadamente 67,8 milhões...

Deixe um comentário

Vídeos