Mulher é encontrada morta em condomínio no Jardim Petrópolis

Facebook

Martha e o marido, Sidrack Nascimento

Uma mulher foi encontrada morta, na tarde desta quarta-feira, 8, em uma residência num condomínio de luxo no bairro Jardim Petrópolis. Uma equipe do Samu foi acionada, mas quando chegou ao local a vítima já estava morta.

Policiais do 4º Batalhão da Polícia Militar foram acionados para averiguar a situação e confirmaram que a mulher foi vítima de arma de fogo. Ela teria sido atingida na cabeça. Agora, caberá à Delegacia de Homicídios da Capital investigar em que circunstâncias a mulher morreu, já que não é descartada a possibilidade de suicídio.

Informações extraoficiais dão conta que a vítima era esposa de um promotor de justiça do Estado. No entanto, a assessoria de comunicação do MPE, disse que desconhece a informação.

Equipes da perícia do Instituto de Criminalística e de Medicina Legal foram acionados para o condomínio.

Sem registro oficial

Apesar da ocorrência ter sido atendida por militares do 4º BPM, o fato não foi registrado no relatório do Centro Integrado de Operações da Segurança Pública (Ciosp). O MP também não se manifestou oficialmente, mesmo após a confirmação do fato.

A vítima foi identificada como Martha Nascimento, mulher do promotor Sidrack Nascimento, e o fato ocorreu na residência onde o casal morava. Testemunhas informaram à polícia, que momentos após a ocorrência, o promotor teria saído bastante alterado do local, afirmando ter ido buscar ajuda.

 

Atualizada às 7h40.

 

Veja Mais

6 Comentários

  • Nicolas Sampaio Barbosa says:

    Jornal…tem que acompanhar isso!!! Muito suspeito!!!!

  • Em Maceió aumenta o número de mulheres mortas por armas de fogo, os crimes são bárbaros, a sensação que dar é que os Assassinos agem com a certeza da impunidade dos crimes. A maioria dos casos de Homicídios ocorrem nas casas das vitimas, a luz do dia ou da noite.

    A população não pode permitir que os Homicídios de Mulheres se torne algo natural na sociedade brasileira, tão pouco tolerar a Legalização das armas de fogo, pois, pode ser um fator de risco para as mulheres brasileiras.

    A arma de fogo se tornou um elemento de risco para aqueles que não tem preparo, técnicas e habilidades para manusear a Arma. Em Maceió, muitos homicídios são decorrentes a brigas banais e a arma de fogo, cria situação de perigo para todos que estão envolvido nos conflitos.

    Na maioria dos casos, os agressores são membros da própria família, são as pessoas mais próximas das vitimas, como maridos, companheiros ou ex-maridos ou ex-companheiros das
    mulheres vitimas de armas de fogo. A presença da arma de fogo dentro de casa pode se tornar uma tragedia para o casal, só agrava os riscos de homicídios.

  • Edvan says:

    Exame residiográfico, ( fragmentos de pólvora na mão) para saber se a mesma cometeu suicídio, acredito que a perícia, fez esse procedimento, até porque, para deflagrar um disparo, tem que ter a ação humana.

  • Fatima says:

    Não tem nenhuma notícia recente sobre esse caso?

  • Iris says:

    O esposo da vitima é promotor de justiça, precisa e deve ter armas de fogo .

  • paulo says:

    Quantos peritos de bostas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notificações no seu whatsappReceba nossas notificações