Boxeadora é assassinada a marteladas após ataque de ciúme do ex

The s

The Sun

A boxeadora Sandra Zmijan foi encontrada morta no quintal de Wojciech Tadewicz em Hayes, oeste de Londres. A vítima levou mais de uma hora para morrer depois de ser atingida por Tadewicz na cabeça, em um ataque de “ciúme e raiva desinibida”.

Ela deixou o polonês Tadewicz depois que ele se recusou a cortar seus gastos com medicamentos para melhorar a forma física, o que o deixou experimentando delírios paranóicos, ouviram os jurados. Chegando ao banco das testemunhas, Tadewicz, assistido por um intérprete, afirmou que Sandra estava “mentindo e se exibindo” nos dias que antecederam o assassinato.

Relacionamento

Ele insistiu que o relacionamento era “tóxico” e que ele havia terminado com Sandra, no entanto, o tribunal foi informado de mensagens nas quais ela lhe dizia: “Por favor, sejamos amigos. Amizade é o máximo que posso lhe oferecer”.

Ele também afirmou que nunca havia amado Sandra de verdade. Mas o tribunal soube como ele havia pedido que ela o conhecesse para uma “festa de aniversário” no dia anterior ao seu 33º aniversário. A dupla se juntou em 18 de setembro para ir a uma festa de lançamento no bar Rumba, em Londres, onde Tadewicz disse que começou a se sentir “sentimental” em relação a Sandra.

Mas dois dias depois ele ficou furioso, deixando Sandra com ferimentos tão graves que seu cérebro foi exposto, afirmam os promotores.

Tadewicz insiste que estava sofrendo de uma doença mental na época, o que o deixou incapaz de lembrar o que aconteceu na noite em que Sandra morreu.

Paranóia

Duncan Atkinson, QC, processando, perguntou-lhe: “Era a realidade que você queria manter um relacionamento com Sandra?”

Tadewicz respondeu: “Não, foi ela que me pediu para voltar e eu me recusei a fazê-lo, pois não queria me envolver em um relacionamento tóxico novamente”.

Questionado se ele amava Sandra, Tadewicz disse: “No começo, eu não chamaria isso de amor, mas esse foi meu primeiro relacionamento”.

O acusado então admitiu que os esteróides o fizeram “se sentir mal e trouxe a paranóia de volta”.

Ele disse que parou de usar as drogas porque “eu não era capaz de lidar”.

O promotor perguntou: “Você o perdeu durante uma discussão com ela?

“Não, eu não perderia”, disse ele.

“Eu não a matei e não importa o motivo, nunca mataria nenhum ser humano”.

Fonte: The Sun

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *