Bolsonaro defende comércios abertos e diz que idosos devem ser preservados

Cortesia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a se pronunciar sobre as medidas adotadas por estados para conter avanço do coronavírus (COVID-19) e usou o Twitter na manhã desta quarta-feira (25) para reafirmar o que declarou durante o pronunciamento da noite de terça.

Na pubicação, o presidente disse que o comércio deve ser aberto e que “a saúde dos idosos e portadores de comorbidades” deve ser preservada. “38 milhões de autônomos já foram atingidos. Se as empresas não produzirem não pagarão salários. Se a economia colapsar os servidores também não receberão. Devemos abrir o comércio e tudo fazer para preservar a saúde dos idosos e portadores de comorbidades”, escreveu.

‘GRIPEZINHA’

O presidente não anuciou nenhuma nova medida para conter o avanço da pandemia. Bolsonaro buscou mostrar que o governo federal vem se preparando para lidar com a doença desde o resgate dos brasileiros ilhados na quarentena de Wuhan, na China, e elogiou a atuação do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM).

“O vírus chegou e brevemente passará. Nossa vida tem que continuar, os empregos devem ser mantidos e o sustento das famílias deve ser preservado. Devemos voltar à normalidade”, minimizou o presidente.

Apesar de dizer que o vírus “brevemente passará”, na semana passada, a previsão do próprio ministro Mandetta era de que a fase mais aguda da epidemia do novo coronavírus vai durar ao menos até julho.

No entanto, disse também que deve haver a preocupação em não transmitir o vírus para os outros, “em especial aos nossos queridos pais e avós, respeitando as orientações do Ministério da Saúde”. Desde a confirmação de transmissão comunitária no país, a pasta recomenda evitar aglomerações, além da redução do contato social.

O presidente culpou a imprensa por uma “sensação de pavor” e de causar uma “verdadeira histeria no país”.

Ele citou os estudos sobre a eficácia da cloroquina no tratamento da nova doença. “Acredito em Deus, que capacitará cientistas e pesquisadores do Brasil e do mundo na cura dessa doença”, disse.

REAÇÃO

Pelo pronunciamento, o presidente recebeu críticas de autoridades políticas. Logo após o pronunciamento, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e seu vice, Antonio Anastasia (PSD-MG), publicaram nota em que classificaram o pronunciamento do presidente como “grave” e disseram que “o país precisa de uma liderança séria” neste momento.

“Neste momento grave, o País precisa de uma liderança séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde da sua população. Consideramos grave a posição externada pelo presidente da República hoje, em cadeia nacional, de ataque às medidas de contenção ao Covid-19. Posição que está na contramão das ações adotadas em outros países e sugeridas pela própria Organização Mundial da Saúde (OMS)”, afirmaram.

Fonte: CNN Brasil

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *