Laudo: Colete utilizado por PRF morto em Ouro Branco não foi transfixado

Cortesia/Internauta Colete usado pelo PRF Luiz Gonzaga Pereira Santos. no dia do crime

Colete usado pelo PRF Luiz Gonzaga Pereira Santos. no dia do crime

A Polícia Rodoviária Federal recebeu, na manhã desta sexta-feira (31), o resultado da perícia feita pela Polícia Federal no caso da morte do policial rodoviário federal Luiz de Gonzaga. Entre os laudos mais aguardados, estava o do colete balístico utilizado pelo agente no dia do crime, ocorrido no dia 10 de maio de 2015, em Ouro Branco (AL), enquanto atendia a um acidente de trânsito.

Leia também:

Agente da PRF é assassinado durante ocorrência no Sertão do Estado

Polícia Federal diz que é cedo para afirmar falha no colete de PRF morto no Sertão

Os laudos foram apresentados ao superintendente regional da PRF em Alagoas, Remi Gomes de Alcântara, na sede da PF, em Maceió. Também estiveram presentes durante a explanação das conclusões o chefe da Seção de Policiamento e Fiscalização, Ednilson Ribeiro, e o presidente do Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais em Alagoas, Reginaldo Galdino.

Segundo a PF, 10 profissionais, cada um em uma área de especialização, participaram dos trabalhos. Ao todo, nove laudos foram confeccionados, entre eles o do local do crime, da dinâmica da cena, das armas usadas, dos projéteis encontrados, dos testes de DNA de acusado e da vítima, e o dos coletes balísticos utilizados pelos PRFs envolvidos na ocorrência.

Entre as conclusões encontradas, o laudo é categórico ao afirmar que não houve transfixação do colete usado pelo PRF Luiz por nenhum dos dois disparos que atingiram o equipamento no momento do confronto.

O documento explicita que o colete possui 34 camadas. Que um dos disparos parou na primeira camada e que o segundo perfurou três. Explica, ainda, que a distância entre os pontos de impacto foi de aproximadamente 20 centímetros e que a distância dos centros de impacto para a borda mais próxima foram de 9 e 10 centímetros, aproximadamente.

Ao todo, apenas no laudo do colete balístico, foram respondidos 14 quesitos, entre eles alguns realizados pelo delegado da PF que preside o inquérito, e outros oferecidos pela fabricante do equipamento, a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC).

A PF deverá realizar uma segunda apresentação das conclusões dos documentos para a diretora-geral da PRF, Maria Alice Nascimento Souza, e para representantes da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (Fenaprf).

Fonte: Ascom/ Ministério da Justiça

Veja Mais

6 Comentários

  • Montebispo says:

    Se as balas nao ultrapassaram o colete o agente morreu de que?

  • Nelson Sena says:

    A matéria não esclarece muita coisa. Pode não ter sido transfixado mas a deformação pelo impacto, dependendo da profundidade, pode ser letal (acima de 44 mm), pois o laudo cadavérico aponta uma lesão no hipocôndrio esquerdo.

  • Depende da energia gerada pelo projétil, e do ponto de impacto, se for no torax próximo do coração, pode ocasionar uma parada cardíaca.

  • luiz f l madureira says:

    Dequem é o sangue no colete? Houve um terceiro tiro que atingiu area não coberta pelo colete ?

  • Farnese says:

    Dependendo do calibre e a distancia do disparo e o alvo atingido, creio que somente a energia do projétil pode ser suficiente para causar sérios danos aos órgãos da vítima, como disse o profissional em sua resposta acima poderá ter sofrido sim uma parada cardíaca ou até uma forte hemorragia.

  • Alberto Borges says:

    Senhores, os disparos que atingiram o colete não o transfixaram. Como há sangue, certamente o disparo que provocou a morte não atingiu o colete, mas sim o corpo do policial diretamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba notificações no seu whatsappReceba nossas notificações