Seris revitaliza espaços públicos com mão de obra carcerária

Serispresos trabalho

As ações do Projeto “Uma nova história”, coordenada pela Secretaria de Estado da Ressocialização (Seris),   seguem a todo vapor. Ainda este mês, estão previstos obras na Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, Universidade Estadual de Alagoas, Hospital Geral do Estado e no Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Alagoas, graças ao trabalho dos reeducandos nos espaços públicos de Alagoas, que estão mais conservados e limpos. A iniciativa ainda fortalece a reinserção dos apenados através do trabalho e gera economia para o Estado.

Atualmente, a equipe está desenvolvendo ações no Canil do Batalhão de Operações Policiais Especiais, Batalhão de Polícia Rodoviária, 4º Batalhão da Polícia Militar e Secretaria da Mulher e Direitos Humanos.   A chefe de Reintegração Social, agente penitenciária Shirley Araújo, enaltece o trabalho da equipe e destaca o retorno que a sociedade tem dado para fomentar as boas práticas do projeto. “A recepção é maravilhosa, o pessoal gosta bastante dos serviços prestados pelos egressos do sistema prisional. As iniciativas têm tido uma ótima aceitação e, normalmente, somos convidados para retornar ao órgão e prestar o serviço periodicamente”, disse.

“O nome ‘Uma nova história’ é consequência das ações nele desenvolvidas. Através da restauração, limpeza e manutenção proporcionamos uma nova vida ao ambiente, melhoramos a qualidade de vida da comunidade que utiliza o espaço e, principalmente, reinserimos os reeducandos no convívio social com dignidade”, completa.

Como contrapartida pelos serviços prestados, os trabalhadores que cumprem pena nos regimes aberto e semiaberto têm direito a remição da pena e recebem um auxílio financeiro – essencial para garantir o sustento da família. Vale lembrar que os reeducandos estão inseridos na Lei de Execução Penal e não mantêm vínculo empregatício. O índice de reincidência criminal deles inferior a 2%, enquanto a média nacional gira em torno de 70%.

Fonte: Seris

Veja Mais

1 comentário

  • Rosa says:

    Isso não é para todos só alguns que tem peixada conseguem trabalhar, ficam todos misturados presos perigosos com aqueles que tipo não pagaram pensão as ex esposas, pensa que o preso não quer trabalhar pura mentira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *