Patrimônio Vivo de Alagoas, mestre Pancho do Fandango morre de Covid-19

Quarta geração no comando do Fandango do Pontal, Pancho deixa um legado de tradição e cultura

Raul Plácido

Mestre Pancho participou do folguedo pela primeira vez aos 13 anos, como marujo

Ronaldo da Costa, o mestre Pancho, reconhecido como Patrimônio Vivo de Alagoas, faleceu na noite da desta terça-feira (02), aos 70 anos, vítima do Covid-19.

Ronaldo aprendeu a tradição com o pai, mestre Isaldino, ainda na infância e há 40 anos comandava o Fandango do Pontal da Barra. Pancho foi o primeiro a introduzir a participação de mulheres no folguedo. Foi reconhecido como Patrimônio em 2012 e deixa agora um legado para a cultura alagoana.

“A cultura alagoana perde mais um grande mestre em virtude do coronavírus. Com muita tristeza, recebemos a notícia do falecimento do mestre Pancho, uma figura sempre presente nas atividades realizadas pela Secult e um homem que honrou seu título, sempre difundindo o Fandango e a cultura popular alagoana. mestre Pancho deixa um legado importantíssimo e uma grande lacuna dentre os Patrimônios Vivos de Alagoas. Minha solidariedade a todos os amigos e familiares”, declarou a secretária de Cultura, Mellina Freitas.

Veja Mais

O Renascer da Floresta

A pequena índia Teçá nasceu com surdez, se comunica através da linguagem de Libras e, através da literatura, compartilha uma...

Deixe um comentário